Concursos de obras públicas com a pior queda desde Setembro de 2016 (AICCOPN)

| Economia

Os concursos de obras públicas no primeiro trimestre foram os mais baixos desde o terceiro trimestre de 2016, caindo 36% face a igual trimestre de 2017, para 477 milhões de euros, segundo a associação dos industriais da construção.

"Efetivamente, apesar do lançamento, em março, de dois concursos no âmbito da construção da linha ferroviária entre Évora e Elvas, num total de 170 milhões de euros, a que se soma, ainda, o concurso associado a trabalhos e reparação e conservação da Ponte 25 de Abril, com um preço base de 18 milhões de euros, o volume de empreitadas de obras públicas deste trimestre é o pior, desde o terceiro trimestre de 2016", afirma a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas(AICCOPN), em comunicado hoje divulgado.

Mas não foi só nos concursos de obras públicas promovidos naqueles três meses que se nota a quebra, também os contratos celebrados no âmbito de concursos públicos - e reportados no Observatório das Obras Públicas - caíram 7% face a igual período do ano passado, ascendendo a 243 milhões de euros.

Mas a quebra foi bastante menor, de 1%, nos contratos de obras públicas celebrados na modalidade de ajuste direto, que somaram 137 milhões de euros.

No conjunto, o volume total de contratos celebrados no primeiro trimestre foi de 397 milhões de euros, menos 7% em termos homólogos, conclui a associação.

"Quer ao nível do lançamento de concursos públicos, quer ao nível do volume de contratos celebrados, o primeiro trimestre de 2018 registou uma evolução significativamente negativa, em oposição ao que se verificava, de forma relativamente consistente, desde 2016", lamenta a associação naquele comunicado.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.