Coreia do Sul disponibiliza 5 mil milhões de dólares para cooperação com África

| Economia

|

O Governo da Coreia do Sul anunciou hoje que vai disponibilizar 5 mil milhões de dólares em assistência financeira e cooperação económica com África nos próximos dois anos, tendo definido seis áreas prioritárias de investimento.

"A Coreia do Sul tem experiência em desenvolvimento económico e podemos aproveitar esta experiência para promover a cooperação económica com África, e também nas infraestruturas podemos dar uma vantagem competitiva, além de fortalecer o envolvimento do setor privado em áreas como as tecnologias e as 'smart cities', porque é nestas áreas que somos fortes", disse o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças coreano, Dong Yeon Kim.

Na conferência de imprensa conjunta entre o governante coreano e o presidente do BAD, que se seguiu à reunião entre os governadores do Banco e o Governo da Coreia do Sul, que decorreu hoje em paralelo aos Encontros Anuais do BAD, em Busan, Kim explicou que "os governantes africanos estiveram muito interessados na experiência de desregulamentação e reforma laboral".

A reunião dos governadores do BAD decorre esta semana na Coreia do Sul e tem como tema oficial `Acelerando a Industrialização de África`, e decorre num contexto de crescimento fraco no continente e de dívida pública excessiva.

Os Encontros Anuais são uma das maiores reuniões económicas sobre o continente africano, juntando chefes de Estado, acionistas de referência no setor público e privado, governadores dos 80 bancos centrais que são acionistas do BAD e académicos e parceiros para o desenvolvimento.

Tópicos:

Encontros Anuais BAD,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.