Costa considera "grave" para Portugal proposta de Bruxelas sobre níveis de cofinanciamento

| Economia

O primeiro-ministro manifestou-se hoje ainda "insatisfeito" com a evolução das propostas de Bruxelas para o próximo quadro plurianual, classificando mesmo como "particularmente gravoso" para o orçamento nacional o ponto referente aos níveis de cofinanciamento por Estado-membro.

António Costa falava na Assembleia da República, na abertura do debate quinzenal, na sequência de uma intervenção proferida pelo líder parlamentar do PS, Carlos César, que deixou referências críticas ao comportamento do PSD e do CDS-PP nesta matéria.

O primeiro-ministro, no entanto, referiu-se apenas à proposta da Comissão Europeia que está em cima da mesa negocial, identificando então como aspeto grave aquilo que se prevê em termos de níveis de cofinanciamento.

Se a proposta de Bruxelas ficasse tal como está, segundo António Costa, nas regiões nacionais de coesão o financiamento comunitário baixaria de 85 para 70%".

"No caso das regiões de transição, como o Algarve, a proposta de Bruxelas baixa de 80 para 55%, e no caso da Região Lisboa e Vale do Tejo baixa de 50 para 40%. Isso significava um peso muito acrescido sobre o nosso Orçamento do Estado", salientou o líder do executivo.

 

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.