Costa defende que Portugal tem de continuar a "pedalar" para crescer

| Economia

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu hoje que Portugal tem de continuar a "pedalar" para continuar a crescer, durante a cerimónia de apresentação do Pacto Territorial para o Emprego e Desenvolvimento.

"A economia é como as bicicletas ou se pedala ou para. Por isso, temos de continuar a pedalar para poder continuar a crescer e a poder continuar a criar emprego. E o futuro da nossa economia é muito claro: precisamos de melhorar a competitividade da nossa economia e das nossas empresas para ter mais e melhor emprego", sustentou o chefe do Governo.

António Costa, que falava na Marinha Grande, considerou a assinatura do PTE-D 2030 - Pacto Territorial para o Emprego e Desenvolvimento da Marinha Grande "exemplar daquilo que o país precisa para o seu desenvolvimento".

O líder do executivo recordou as "boas indicações" que têm surgido sobre a evolução da economia portuguesa.

"o Instituto do Emprego divulgou que tivemos, no mês passado, a maior baixa de pessoas inscritas no centro de emprego, que alguma vez tínhamos tido", lembrou.

Segundo o governante, a "história da Marinha Grande é exemplar" do desenvolvimento económico: "de uma situação de rutura e crise, temos hoje um dos centros mais dinâmicos da indústria nacional, com uma taxa de desemprego que é quase metade da taxa de desemprego do país e que é um dos principais centros de exportação internacional".

António Costa acrescentou que este concelho do distrito de Leiria conseguiu emergir da crise do setor do vidro.

"Em vez de apostar em fazer mais do mesmo, apostou em fazer diferente e em fazer melhor. Hoje nos moldes, nos plásticos e também no vidro, a Marinha Grande é uma referência e um dos grandes dinamizadores da nossa economia", considerou.

Essa trajetória foi feita, segundo António Costa, com a aposta na inovação. "Para haver inovação é preciso haver investimento na qualificação, transferência do conhecimento para o tecido empresarial e um tecido empresarial que seja capaz de transformar esse conhecimento em valor."

Investir na qualificação é outro dos fatores considerados pelo primeiro-ministro como essencial, defendendo o investimento "nas novas gerações".

"Temos de assegurar a universalidade do acesso ao pré-escolar desde os três anos, porque sabemos que crianças que frequentam o pré-escolar terão melhor sucesso educativo", disse.

"Não podemos ter gerações como a minha, onde a maioria não completou o ensino secundário. Essa é a grande diferença entre nós e os países mais desenvolvidos da Europa. É o maior défice estrutural que o país tem e que temos de travar", salientou António Costa, ao defender a valorização dos "conteúdos" e o melhoramento "do ensino".

António Costa considerou ainda que é "fundamental investir no ensino superior, quer na transmissão do conhecimento, quer na investigação", por isso é "que é fundamental que nesta parceria estejam grande parte daqueles que são centros de produção de conhecimento".

"A contribuição da Marinha Grande para a economia do país é da maior importância pelo efeito que tem de arrastamento e de fixação de um conjunto de atividades que se fixam em Portugal porque querem estar cada vez mais próximos dos moldes", acrescentou.

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Por que razão não voltou o Homem ao satélite natural da Terra desde a década de 70 do século XX? Uma das explicações pode estar na poeira que cobre a superfície da Lua.