Crédito à habitação com prestação média mais alta do ano

| Economia

A taxa de juro do crédito à habitação aumentou em outubro, fazendo subir a prestação média vencida para os 240 euros, o valor mais alto dos últimos 12 meses, revela hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

A taxa de juro implícita no conjunto dos contratos de crédito à habitação fixou-se nos 1,016% em outubro, a mesma taxa registada em março deste ano, revelando um aumento de 0,7 pontos base face aos 1,009% registados em setembro.

Em consequência, a prestação média vencida aumentou um euro, em relação a setembro, quando se tinha fixado nos 239 euros.

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro subiu 0,9 pontos base, passando de 1,677% em setembro para 1,686% em outubro.

Para o destino de financiamento aquisição de habitação, o mais relevante no conjunto do crédito à habitação, a taxa de juro implícita para o total dos contratos foi de 1,038%, valor 0,7 pontos base superior aos 1,031% de setembro.

Nos contratos celebrados nos últimos três meses, a taxa de juro para este mesmo destino de financiamento passou de 1,668% em setembro para 1,681% em outubro, enquanto o valor médio da prestação se fixou nos 326 euros em outubro, mais três euros do que em setembro.

O capital médio em dívida para a totalidade dos contratos aumentou 50 euros em outubro, face a setembro, atingindo 51.571 euros.

Para os contratos celebrados nos últimos três meses, o montante médio do capital em dívida subiu, de 94.003 euros em setembro, para 95.520 euros.

 

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.