DBRS mantém Portugal acima de "lixo"

| Economia

DBRS alerta para "desafios significativos" que se colocam ao país em particular com os "níveis elevados de endividamento público e empresarial"
|

A agência de notação financeira DBRS manteve o rating de Portugal em BBB (baixo) - acima de "lixo" - com perspetiva "estável". Um decisão que permite a Portugal continuar a beneficiar das compras de títulos de dívida pública pelo Banco Central Europeu.

Na análise que faz ao país, a DBRS justifica a manutenção do rating com fatores positivos, ligados ao cumprimento das regras europeias.


Mas alerta igualmente para "desafios significativos" que se colocam ao país, como os "níveis elevados de endividamento público e empresarial, um crescimento potencial baixo e pressões orçamentais".

Ainda assim, a DBRS considera que os "custos de financiamento permanecem geríveis" e que a "dinâmica da dívida pública portuguesa é suportada por um excedente primário (sem juros) superior ao previsto e ao crescimento económico contínuo".

A justificar a manutenção da perspetiva estável estão também os "esforços para resolver as vulnerabilidades que permanecem no setor bancário".

Foto: Hugo Correia - Reuters

No entanto, os analistas sublinham que Portugal "enfrenta desafios importantes", como a dívida pública, que permanece "muito elevada" e que se prevê que desça "apenas gradualmente, o que deixa as finanças públicas vulneráveis a choques adversos".

Governo diz que DBRS reconhece o "progresso" do país

Em comunicado enviado às redações, o Ministério das Finanças diz que a agência de notação financeira "reconhece o progresso que se tem verificado nos principais desafios que ainda se colocam ao país". 

"Em particular", lê-se no comunicado, "no endividamento e nos créditos em risco, desafios sobre os quais o Governo tem atuado".

O Ministério das Finanças refere ainda o "facto de Portugal ter excedido as expetativas do mercado no que toca ao crescimento económico, à consolidação orçamental e à estabilização do setor financeiro".

Tópicos:

Portugal, rating, DBRS,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.