Deco exige que redução do IVA no gás engarrafado seja prioridade no próximo Orçamento

| Economia

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) quer que o próximo Orçamento do Estado inclua uma redução no IVA do gás engarrafado dos atuais 23% para 6%, foi hoje divulgado.

A DECO lançou uma carta aberta (disponível em www.bastam6.pt) na qual os consumidores exigem a redução do IVA para o gás engarrafado, bem como para a eletricidade e gás natural, revertendo o agravamento do IVA que foi decidido durante o período de assistência financeira a Portugal em 2011.

"(...) Através da carta aberta em www.bastam6.pt, [a Deco] exige, como prioridade para o próximo Orçamento do Estado, que a taxa de IVA seja reduzida de 23% para 6% nesta fonte de energia, essencial para uma vida condigna e confortável de milhões de portugueses", lê-se num comunicado enviado pela associação.

Nessa carta, os consumidores exigem, ainda, "a reposição da taxa mínima para a eletricidade e gás natural", depois de em fevereiro deste ano ter entrado em vigor um decreto-lei com novas regras para a venda do gás engarrafado e este produto passou a ser equiparado a um serviço público essencial.

"É urgente o fim da medida de agravamento do IVA que decorreu do pedido de assistência financeira em 2011 e que, sete anos depois, continua a prejudicar os consumidores", insiste a Deco, referindo que "a energia doméstica é um bem essencial, não é um luxo".

Segundo os dados da associação, cerca de dois terços dos lares portugueses ainda têm uma garrafa de gás em casa como principal combustível para a cozinha e aquecimento, sendo por isso "fulcral e justo", que a taxa de IVA aplicada a este serviço seja reduzida para os 6% por cento.

"O preço desta energia duplicou nos últimos anos 15 anos e face ao gás natural custa mais do dobro por kWh, de acordo com a última análise publicada na revista Proteste em 2017. Aqueles consumidores não podem optar pelo gás natural, pois está limitado às principais cidades do país", refere.

A Deco lembra ainda que uma análise da Autoridade da Concorrência (AdC) concluiu que o mercado do gás de botija é muito concentrado, com um reduzido número de operadores.

"Além da falta de concorrência, a AdC observou ainda que, independentemente dos preços cobrados por estas empresas, a procura não sofre alterações. Motivo? Falta de alternativas. Dois milhões e seiscentas mil famílias portuguesas estão dependentes deste produto", declara.

"Enquanto isso, as margens de lucro dos operadores aumentam, já que a redução dos custos de importação, que se verificou a partir de 2014, motivada pela descida do preço do petróleo, não se tem refletido no preço final pago pelos clientes", acrescenta a associação.

Tópicos:

Proteste,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.