Emigrantes engrossam filas para abastecer em Vila Real

| Economia

A afluência aos postos de combustível em Vila Real tem aumentado com a proximidade da greve dos motoristas, marcada para segunda-feira, e as filas são engrossadas com os muitos emigrantes que estão de férias no território.

A três dias da greve convocada por tempo indeterminado, alguns automobilistas abastecem em Trás-os-Montes por necessidade imediata e outros por precaução.

"Abasteci porque preciso, mas já estou com medo da greve porque temos que ir embora no meio da próxima semana e não sei o que esta greve vai dar", afirmou Maria Irene à agência Lusa

Esta emigrante em França disse estar "muito preocupada" com as notícias e até já decidiu "anular" todas as voltas que tinha previsto dar em Portugal e permanecer "quietinha" na aldeia de Paredes do Pinhão até regressar ao país onde vive.

Encheu o depósito todo para "estar mais segura" e reconheceu estar surpreendida com a fila que encontrou no posto de combustível de um supermercado.

"Nunca tinha visto isto em Portugal e ainda estamos a três dias da greve. O que será quando chegar o dia dela", questionou.

Luís Pinto, residente em São Martinho de Anta, no concelho de Sabrosa, costuma ir às compras a Vila Real às sextas-feiras e aproveita para abastecer. Hoje, por precaução, colocou mais combustível do que é normal.

"Isto é tudo uma novela, há gasóleo para toda a gente. As pessoas atestam, levam jerricãs, é tudo uma loucura. Já da outra vez foi a mesma coisa e houve gasóleo para toda a gente", salientou.

Óscar Quinteiro ainda tinha o "depósito meio", mas aproveitou "para encher".

"Esta greve é uma loucura do sindicato", considerou.

Manuel Augusto veio comprar uma alfaia agrícola e abastecer a carrinha de trabalho: "Os outros carros já estão cheios. Para a semana vou de férias e se for preciso tiro dos carros grandes para o ligeiro e estou sempre servido", salientou.

Emigrante em França, Jacinto Moura meteu hoje combustível porque estava mesmo a precisar e disse não estar "nada preocupado" com a greve.

"Estou habituado a isto. No estrangeiro estamos habitados a isto. Em França, a cada passo há estas greves assim, por isso, isto não muda em nada o nosso dia a dia", referiu.

Nuno Vieira, responsável pelo posto de abastecimento daquele supermercado, disse à Lusa que a afluência de automobilistas tem aumentado muito nos últimos dias e que as "filas se têm mantido quase a semana toda".

"No mês de agosto já costumamos ter mais afluência por causa da época e do regresso dos emigrantes, mais agora com a agravante do pré-aviso de greve. As pessoas estão a precaver-se caso ela vá para a frente", salientou.

Nuno Vieira disse que tem notado que as pessoas "andam um pouco assustadas" porque "pensam que pode acabar o combustível", mas lembrou que os "serviços mínimos estão garantidos" e que, para Vila Real, estão previstos três locais destinados à REPA - Rede de Emergência de Postos de Abastecimento .

"Tudo isto pode criar um grande constrangimento às pessoas e às empresas que precisam dos veículos para trabalhar", considerou.

Neste posto houve um reabastecimento hoje, pelas 11:00, com 32 mil litros de combustível, estando previstas mais descargas para sábado e segunda-feira.

A greve que se inicia na segunda-feira, por tempo indeterminado, foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), que acusam a associação patronal Antram de não querer cumprir o acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

O Governo decretou na quarta-feira serviços mínimos entre 50% e 100% para a greve dos motoristas de mercadorias, bem como o estado de emergência energética.

Tópicos:

Motoristas, Paredes, Trás,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma sondagem da Universidade Católica aponta para o fim da hegemonia laranja na Madeira, apesar da vitória do PSD nas regionais (38%) do próximo domingo.

Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.