Espanha pode complicar OPA da China Three Gorges sobre a EDP

| Economia

|

O Governo espanhol vai analisar “cuidadosamente” a Oferta Pública de Aquisição (OPA) da empresa estatal chinesa, China Three Gorges, sobre a portuguesa EDP antes de decidir se dá as “autorizações correspondentes” à operação.

Em entrevista ao jornal espanhol elEconomista, o ministro espanhol da Energia, Álvaro Nadal, afirma que o Governo de Rajoy está a aguardar o pedido formal à Comisión Nacional de los Mercados y la Competencia (CNMC) para que esta analise a operação. Para já, mostra-se pouco confiante no sucesso da OPA e recorda que o conselho de administração da EDP considerou a oferta “baixa e quase hostil”.

Álvaro Nadal afirma que a China Three Gorges entrou num “vespeiro regulatório”. O governante garante que está a acompanhar o processo, uma vez que a EDP é regulada em Espanha e detém ativos nucleares.
Na totalidade são nove os países que terão uma palavra a dizer sobre esta operação. Além da União Europeia.

Para o ministro espanhol, a OPA da empresa estatal chinesa à EDP terá de superar vários obstáculos, com a internacionalização da elétrica nacional, mas sobretudo da sua subsidiária para as energias verdes, a “obrigar os chineses a obtenção do aval de países como a Espanha e o Brasil, mas também da Polónia e da Roménia”.

Álvaro Nadal considera que uma operação com estas características tem uma “complexidade regulatória” e que o Governo espanhol “terá que olhar com muito cuidado para todas as implicações” antes de decidir de vai conceder as “autorizações correspondentes”.

O ministro espanhol da Energia acrescenta que está a seguir o processo, até porque no anúncio da Oferta Pública de Aquisição a China Three Gorges não refere a necessidade de aprovação dos reguladores espanhóis, apesar de Espanha ter uma palavra a dizer. A EDP é um dos principais operadores de energia em Espanha e controla uma parte da central nuclear de Trillo, responsável pelos ativos de distribuição de energia elétrica das Astúrias.

O ministro frisa que esta oferta não é “habitual, visto que não é feita por um fundo de investimento nem por uma empresa privada do setor energético”, mas sim pelo “Estado chinês e tem uma série de ramificações que requerem um estudo apurado antes que seja tomada uma decisão”.

Segundo Álvaro Nadal, “a operação tem ainda uma dimensão europeia, pelo que o Governo espanhol está a falar com os parceiros europeus, o Governo português e a Comissão Europeia”.

O governante sublinhou a necessidade de a Europa ter “uma estratégia comum, coordenada e definida para este tipo de operações, com uma diretiva (lei europeia) que clarifique as regras do jogo e assinale os elementos sensíveis”.

Na passada sexta-feira, a China Three Gorges anunciou a intenção de lançar uma OPA voluntária sobre o capital da EDP, oferecendo uma contrapartida de 3,26 euros por ação, o que representa um prémio de 4,82 por cento face ao valor de mercado e avalia a empresa em cerca de 11,9 milhões de euros.

A China Three Gorges, que já detém 23,27 por cento do capital social da EDP, pretende manter a empresa com sede em Portugal e cotada na bolsa de Lisboa.

Caso a OPA tenha sucesso, a China Three Gorges avançará com uma oferta pública obrigatória sobre a totalidade do capital social da EDP Renováveis (EDPR) a 7,33 por ação.

A EDP controla 82,6 por cento do capital social da EDPR que tem a sua sede em Madrid.

Tópicos:

China Three Gorges, Espanha, OPA, EDP,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.