Estado em tempo de pedir contas aos bancos

| Economia
Estado em tempo de pedir contas aos bancos

A ver: Estado em tempo de pedir contas aos bancos

É o fim das ajudas do Estado à banca. O Novo Banco reembolsou 1.500 milhões de euros, a última emissão com garantia estatal, uma semana depois de o BCP ter pago o que faltava do empréstimo que tinha pedido ao Estado.

Com a crise financeira, o Estado foi chamado a ajudar os principais bancos. Emprestou dinheiro que, se não fosse devolvido, se transformava em capital. Ou seja, se os bancos não pagassem, o Estado ficava como acionista.

O BCP contraiu o empréstimo mais elevado: 3.000 milhões de euros.
O BPI pediu emprestados 1.500 milhões, e foi o primeiro a pagar o que devia. A Caixa Geral de Depósitos recebeu 900 milhões de euros. O extinto Banif pediu 400 milhões.

Contas redondas, o Estado gastou 5.800 milhões de euros com a banca. Recuperou quase todo o dinheiro investido. Faltaram apenas 125 milhões de euros, que o Banif nunca chegou a devolver.

Ainda assim, com o dinheiro emprestado, o Estado arrecadou mais de 1.200 milhões com juros. Mas houve também sacrifício dos contribuintes. Neste momento estão emprestados ao fundo de resolução 3.900 milhões de euros que serviram para recapitalizar o Novo Banco e que o Estado não verá tão depressa.

Há também avultadas perdas com bancos que caíram. A fatura do BPN pesa mais de 5.400 milhões de euros e a do Banif mais de 2.500 milhões de euros.

A informação mais vista

+ Em Foco

Entre 1999 e 2002 nasceram três novos bairros. Passadas duas décadas, muitos residentes dizem-se abandonados.

Entrevista da correspondente da RTP em França, Rosário Salgueiro.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.