Estado em tempo de pedir contas aos bancos

| Economia
Estado em tempo de pedir contas aos bancos

A ver: Estado em tempo de pedir contas aos bancos

É o fim das ajudas do Estado à banca. O Novo Banco reembolsou 1.500 milhões de euros, a última emissão com garantia estatal, uma semana depois de o BCP ter pago o que faltava do empréstimo que tinha pedido ao Estado.

Com a crise financeira, o Estado foi chamado a ajudar os principais bancos. Emprestou dinheiro que, se não fosse devolvido, se transformava em capital. Ou seja, se os bancos não pagassem, o Estado ficava como acionista.

O BCP contraiu o empréstimo mais elevado: 3.000 milhões de euros.
O BPI pediu emprestados 1.500 milhões, e foi o primeiro a pagar o que devia. A Caixa Geral de Depósitos recebeu 900 milhões de euros. O extinto Banif pediu 400 milhões.

Contas redondas, o Estado gastou 5.800 milhões de euros com a banca. Recuperou quase todo o dinheiro investido. Faltaram apenas 125 milhões de euros, que o Banif nunca chegou a devolver.

Ainda assim, com o dinheiro emprestado, o Estado arrecadou mais de 1.200 milhões com juros. Mas houve também sacrifício dos contribuintes. Neste momento estão emprestados ao fundo de resolução 3.900 milhões de euros que serviram para recapitalizar o Novo Banco e que o Estado não verá tão depressa.

Há também avultadas perdas com bancos que caíram. A fatura do BPN pesa mais de 5.400 milhões de euros e a do Banif mais de 2.500 milhões de euros.

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.