Estados Unidos preparados para guerra comercial com a China, diz Donald Trump

| Economia

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deixou claro que novas taxas alfandegárias sobre produtos chineses entram hoje em vigor e que está preparado para uma guerra comercial com Pequim.

A partir de hoje, os funcionários das alfândegas norte-americanas vão recolher taxas adicionais de 25% sobre um conjunto de produtos chineses que, no ano passado, representaram 34.000 milhões de dólares (29 mil milhões de euros) nas importações norte-americanas.

Trata-se da primeira de uma série de medidas retaliatórias de Washington contra alegadas táticas "predatórias" por parte de Pequim, visando desenvolver o seu setor tecnológico.

A China prometeu punir as exportações dos EUA no mesmo valor, suscitando receios de uma guerra comercial total entre as duas maiores economias do mundo.

Trump garantiu que mais taxas adicionais serão impostas nas próximas duas semanas sobre mais 16 mil milhões de dólares (13,7 milhões de euros) de exportações chinesas para o país.

Caso Pequim rejeite ceder às exigências norte-americanas e decida retaliar, o líder norte-americano prometeu punir ainda mais os produtos chineses, até um total de 550 mil milhões de dólares - mais do que valor total das exportações chinesas para o país no ano passado.

A administração norte-americana acusa a China de roubo de tecnologia e de exigir às empresas estrangeiras que transfiram conhecimento em troca de acesso ao mercado.

O país asiático está a desenvolver um plano, designado "Made in China 2025", com o objetivo de se transformar numa potência tecnológica, com capacidades nos setores de alto valor agregado, incluindo inteligência artificial, energia renovável, robótica e carros elétricos.

No editorial do Diário do Povo, jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC), classificou-se hoje de "absurdo impressionante" as queixas dos Estados Unidos sobre estar a ser prejudicado nas trocas comerciais com outros países.

Já o China Daily, jornal estatal em língua inglesa, apelou para que Pequim se mantenha confiante, mas não arrogante.

Outro jornal oficial do PCC, o Global Times, avisou que a China deve estar preparada para que os EUA tentem conter a sua ascensão.

"A mudanças de estratégia de Washington para com Pequim não é uma decisão temporária", pode ler-se no editorial. A China "vai enfrentar mais barreiras no seu desenvolvimento futuro. Devemos aprender a adaptar-nos", acrescentou.

 

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.