FMI prevê que a economia portuguesa registe excedente orçamental em 2020

por RTP
A instituição sugere atenção redobrada em relação à despesa pública Reuters

O Fundo Monetário Internacional prevê que a economia portuguesa registe excedente orçamental já em 2020. O FMI está otimista quanto ao saldo orçamental para o próximo ano, mas continua a ver necessidade de esforços adicionais de consolidação.

“O défice fiscal deve cair em 2019 apesar de uma transferência de capital superior à esperada para o Novo Banco”, analisa o FMI. “O Governo aponta para um orçamento equilibrado em 2019” meta que poderá ser alcançada "em grande parte através de investimentos de capital mais baixos do que o previsto" e das receitas dinâmicas.

No relatório da missão do FMI a Portugal ao abrigo do Artigo IV, a instituição mantém a sua previsão de maio, de um défice de 0,2 por cento do PIB este ano, "uma melhoria" em comparação com o défice de 0,5 por cento registado em 2018.

A instituição adianta que "o custo acima do esperado com a injeção de capital no Novo Banco vai aumentar os compromissos de despesas em 0,4% do PIB acima do previsto para aquela finalidade".

A instituição sugere, porém, atenção redobrada em relação à despesa pública.

Para o FMI, a "pressão" com a fatura dos salários no Estado está a aumentar, "apesar do compromisso" do Executivo para "reduzir o emprego público".

“Possuindo uma pequena economia aberta, Portugal sentiria diretamente as consequências negativas de um crescimento global inferior ao esperado”, salienta o relatório. “Políticas internas fortes poderão mitigar os riscos externos”.

Para 2020, o FMI reviu em alta a sua estimativa de maio para o saldo orçamental no próximo ano, de um défice nulo para um excedente de 0,1 por cento do PIB, ainda assim abaixo da previsão do Governo para 2020, de um excedente de 0,3 por cento do PIB.

O Artigo IV do FMI prevê que sejam feitas análises às economias dos membros do Fundo, geralmente todos os anos.

c/ Lusa
Tópicos
pub