Fornecimento de gás. Alemanha ativa "nível de alerta"

por Antena 1/RTP

O chefe da política da União Europeia para o Clima anunciou esta manhã que há cerca de uma dúzia de países da União Europeia afetados pelos cortes de fornecimento do gás russo e 10 subiram já o nível de alerta para o abastecimento e poupança do gás. A Alemanha anunciou esta quinta-feira novas medidas.

A Alemanha anunciou que vai escalar a partir de hoje para a fase 2 - numa escala de 3 - do plano de emergência para o gás. Este nível significa um risco elevado de escassez de abastecimento a longo prazo.

Em princípio, permite que as concessionárias repassem para a indústria e para as famílias parte dos custos elevados que estão a ter na produção de energia. Mas por enquanto o governo alemão ainda não deu luz verde a este aumento para os consumidores domésticos e industriais. O Governo poderá "apoiar" os intervenientes no mercado para fazer face aos preços elevados.

"Será uma estrada cheia de pedras que temos que percorrer como país", disse o ministro da Economia, Robert Habeck. "Mesmo que ainda não sintamos, estamos numa crise de gás. O gás é agora um recurso escasso".

A maior economia da Europa enfrenta a perspectiva sem precedentes de empresas e consumidores com pouca energia, enquanto o presidente russo, Vladimir Putin, reduz gradualmente os fornecimentos. O impasse aumentou na semana passada após cortes acentuados no principal link de gás para a Alemanha.

A decisão segue-se à queda de 60%, desde a semana passada, do fornecimento de gás via Nord Stream à Alemanha pelo grupo russo Gazprom, que reivindica um problema técnico. Esta decisão teve um forte impacto em vários países europeus, em particular na Alemanha, Itália e França.

Mas para o Governo alemão, é uma "decisão política",
destinada a influenciar o `braço de ferro` entre Moscovo e os países ocidentais sobre a guerra na Ucrânia.

A Alemanha depende da Rússia para mais de um terço de seu fornecimento de gás. Promulgou a fase inicial de "alerta precoce" no final de março, quando as exigências do Kremlin de pagamento em rublos levaram a Alemanha a preparar-se para um possível corte no fornecimento. O terceiro e mais alto nível de “emergência” envolveria o controlo estatal sobre a distribuição.

As reservas na Alemanha são atualmente de 58%, um nível "mais elevado do que a média dos últimos anos". Mas se as entregas através do gasoduto Nordstream "permanecerem a um nível baixo", o "nível de armazenamento de 90%" recomendado pela lei alemã "não será atingido", de acordo com o Ministério.

A Alemanha já anunciou no domingo a sua decisão de utilizar mais carvão para poupar gás, o que representaria 15% da eletricidade produzida em 2021.

Berlim anunciou também que a empresa estatal KfW tinha aberto uma linha de crédito de 15 biliões de euros para financiar a compra de gás, cujos preços dispararam, pelo responsável pela compra para a Alemanha, Trading Hub Europe.
Europa toma medidas
Há vários países europeus a colocar em prática medidas para gerir o fornecimento de gás e racioná-lo, se necessário, no caso de a Rússia parar a distribuição.

O fornecimento de gás russo para a Europa através do gasoduto Nord Stream 1 caiu na semana passada e Moscovo disse que mais atrasos nas reparações podem levar à suspensão de todos os abastecimentos.

A União Europeia tem regras para prevenir e responder a uma interrupção no fornecimento de gás. Ele estabelece três níveis de crise: um alerta precoce, alerta e emergência. Os Estados-membros são obrigados a ter planos em vigor para gerir o impacto de uma interrupção do abastecimento nos três níveis de crise.

Eis o que cada um dos países está a fazer, de acordo com um levantamento da Reuters:
Áustria
A Áustria, que recebe cerca de 80% de seu gás da Rússia, ativou o primeiro passo de um plano de emergência de três etapas. Também está a avaliar medidas para diversificar o fornecimento de gás e converterá uma usina a gás para gerar eletricidade a partir do carvão.
Bulgária
O país, que depende mais de 90% de suas necessidades de gás da Rússia, concordou em comprar gás natural liquefeito (GNL) dos EUA e intensificou as negociações com o Azerbaijão para aumentar as entregas de gás.
Chéquia
A Chéquia anunciou que recorreu a outros fornecedores, além da russa Gazprom.
Dinamarca
A agência de energia da Dinamarca disse que ativou o primeiro passo de um plano de fornecimento de gás de emergência em três etapas. Garante que o fornecimento de gás está garantido por enquanto, mas pediu aos consumidores e empresas que reduzam o consumo.
França
Em abril, a operadora francesa de rede de transporte de gás GRTgaz disse que implementou medidas que podem ser invocadas para limitar o fornecimento de gás aos clientes em caso de escassez e pediu aos transportadores que preencham o armazenamento subterrâneo antes do próximo inverno.

As medidas permitem à empresa emitir ordens para reduzir ou interromper o consumo de gás em até duas horas para grandes consumidores conectados à sua rede e solicitar aos operadores do sistema de distribuição que façam o mesmo em caso de corte ou redução do abastecimento.

A França obtém cerca de 20% de seu gás da Rússia.
Grécia
Sob um plano de contingência, a Grécia, que usa gás principalmente para gerar energia, obteria quantidades adicionais de GNL e mudaria quatro fábricas a gás para diesel. Também aumentará a mineração de carvão nos próximos dois anos como uma medida temporária.
Itália
A Itália, que obtém cerca de 40% de suas necessidades de gás da Rússia, anunciou medidas iniciais para aumentar o armazenamento de gás nesta semana e planeia maximizar o uso de fábricas a carvão, se necessário, para economizar gás.

A Itália pediu ao operador da rede de gás Snam (SRG.MI) que adote medidas para ajudar a trazer os estoques de gás para o nível desejado para junho.
Países Baixos
Os Países Baixos ativarão a fase de alerta antecipado do plano de crise energética e suspenderá o limite de produção de unidades a carvão. Importa 15% do seu gás da Rússia.
Polónia
Sob uma lei sobre reservas obrigatórias, no caso de risco para a segurança do fornecimento, o Ministério do Clima da Polônia apresenta uma moção formal ao governo para introduzir limitações no uso de gás, afetando primeiro a indústria e protegendo as famílias.

A Polónia obtém cerca de 50% de sua necessidade anual de gás da Rússia.
Espanha e Portugal
Nenhum país da Península Ibérica conta com a Rússia entre seus principais fornecedores.
Suécia
A Suécia também ativou a primeira fase do plano de emergência em três partes.

pub