Governador alerta que não se pode confundir o bombeiro com quem lança o fogo no sistema financeiro

| Economia

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, considerou hoje que as pessoas confundem os bombeiros que apagam os fogos com quem os lança, referindo-se à pressão e responsabilização que é colocada sobre o banco central na resolução de crises financeiras.

"As pessoas esquecem que são os pirómanos e pedem responsabilidade aos bombeiros", disse Carlos Costa, no encerramento da conferência sobre gestão de riscos nos bancos centrais.

Para Carlos costa, há "muita pressão sobre os supervisores, os bancos centrais", enquanto são esquecidos os responsáveis por lançar o fogo.

Carlos Costa considerou ainda que o sistema financeiro tem de ser mais transparente, tal como o banco central também tem, e que não pode haver "ilusões" de que os bancos centrais andarão sempre a tentar apanhar os mercados.

Em 03 de agosto de 2014, o Banco de Portugal aplicou uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo (BES), tendo sido criado o Novo Banco. Já em dezembro de 2015, foi a vez de ser aplicada uma medida de resolução no Banif.

A ação do Banco de Portugal tem sido muito criticada nomeadamente no caso BES.

Tópicos:

Espírito,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

      Andrej Babiš, o vencedor das eleições de domingo, é frequentemente descrito como o "Trump checo". Mas Veronika Pehe, historiadora, prevê um certo continuismo político, acobertado com uma radicalização verbal.