Governador alerta que não se pode confundir o bombeiro com quem lança o fogo no sistema financeiro

| Economia

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, considerou hoje que as pessoas confundem os bombeiros que apagam os fogos com quem os lança, referindo-se à pressão e responsabilização que é colocada sobre o banco central na resolução de crises financeiras.

"As pessoas esquecem que são os pirómanos e pedem responsabilidade aos bombeiros", disse Carlos Costa, no encerramento da conferência sobre gestão de riscos nos bancos centrais.

Para Carlos costa, há "muita pressão sobre os supervisores, os bancos centrais", enquanto são esquecidos os responsáveis por lançar o fogo.

Carlos Costa considerou ainda que o sistema financeiro tem de ser mais transparente, tal como o banco central também tem, e que não pode haver "ilusões" de que os bancos centrais andarão sempre a tentar apanhar os mercados.

Em 03 de agosto de 2014, o Banco de Portugal aplicou uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo (BES), tendo sido criado o Novo Banco. Já em dezembro de 2015, foi a vez de ser aplicada uma medida de resolução no Banif.

A ação do Banco de Portugal tem sido muito criticada nomeadamente no caso BES.

Tópicos:

Espírito,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.