Governo indica antigo administrador da Groundforce para presidente da CP

| Economia

O Governo anunciou hoje que indicou o antigo administrador da Groundforce, Carlos Gomes Nogueira, para presidente da CP para os próximos três anos, substituindo no cargo Manuel Queiró.

Em comunicado, o gabinete do ministro do Planeamento e das Infraestruturas explica que o Governo solicitou à Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CReSAP) os necessários pareceres com vista à nomeação do Conselho de Administração da CP para o mandato 2017-2020.

Caberá agora à comissão pronunciar-se sobre a nomeação.

O Conselho de Administração indicado terá como presidente Carlos Gomes Nogueira e como vogais Sérgio Abrantes Machado e Ana dos Santos Malhó.

Carlos Gomes Nogueira é licenciado em Gestão e era até agora administrador executivo da Europartners, tendo, entre 2011 e 2014, desempenhado funções executivas na Groundforce. Foi também fundador e dirigente da Confederação do Turismo Português e membro do Conselho Diretivo do ISCTE.

Sérgio Abrantes Machado é licenciado em Engenharia Eletrotécnica e era até agora diretor-geral da Empresa de Manutenção e Equipamento Ferroviário (EMEF), na qual também integrou o Conselho de Administração e desempenhou diversas funções na TAP.

Ana dos Santos Malhó é licenciada em Administração e Gestão de Empresas e integrava, desde 2013, o Conselho Diretivo da EMEF. Foi também vogal do Conselho Fiscal da CP Carga e diretora financeira da CP.

O novo Conselho de Administração da CP, lê-se no documento, "terá como prioridades o desenvolvimento de uma política que contribua para a coesão territorial do país, a renovação estratégica do material circulante e a reestruturação orgânica da empresa".

Tópicos:

Diretivo, Europartners, Recrutamento,

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O embaixador russo em Lisboa afirma, em entrevista à RTP, que as declarações e decisões de Donald Trump sobre Jerusalém podem incendiar todo o Médio Oriente.

    As sondagens para as presidenciais brasileiras colocam em segundo lugar um deputado federal defensor da ditadura que governou o país durante 20 anos e que é acusado de homofobia.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.