Governo indica antigo administrador da Groundforce para presidente da CP

| Economia

O Governo anunciou hoje que indicou o antigo administrador da Groundforce, Carlos Gomes Nogueira, para presidente da CP para os próximos três anos, substituindo no cargo Manuel Queiró.

Em comunicado, o gabinete do ministro do Planeamento e das Infraestruturas explica que o Governo solicitou à Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CReSAP) os necessários pareceres com vista à nomeação do Conselho de Administração da CP para o mandato 2017-2020.

Caberá agora à comissão pronunciar-se sobre a nomeação.

O Conselho de Administração indicado terá como presidente Carlos Gomes Nogueira e como vogais Sérgio Abrantes Machado e Ana dos Santos Malhó.

Carlos Gomes Nogueira é licenciado em Gestão e era até agora administrador executivo da Europartners, tendo, entre 2011 e 2014, desempenhado funções executivas na Groundforce. Foi também fundador e dirigente da Confederação do Turismo Português e membro do Conselho Diretivo do ISCTE.

Sérgio Abrantes Machado é licenciado em Engenharia Eletrotécnica e era até agora diretor-geral da Empresa de Manutenção e Equipamento Ferroviário (EMEF), na qual também integrou o Conselho de Administração e desempenhou diversas funções na TAP.

Ana dos Santos Malhó é licenciada em Administração e Gestão de Empresas e integrava, desde 2013, o Conselho Diretivo da EMEF. Foi também vogal do Conselho Fiscal da CP Carga e diretora financeira da CP.

O novo Conselho de Administração da CP, lê-se no documento, "terá como prioridades o desenvolvimento de uma política que contribua para a coesão territorial do país, a renovação estratégica do material circulante e a reestruturação orgânica da empresa".

Tópicos:

Diretivo, Europartners, Recrutamento,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.