Governo prevê injetar 2.150 ME no Novo Banco até 2021

| Economia

|

O Governo prevê injetar no Novo Banco 2.150 milhões de euros até 2021, confirmando os 1.149 milhões de euros em 2019 e adicionando a previsão de 600 milhões em 2020 e 400 milhões em 2021, segundo o Programa de Estabilidade.

No documento, o Governo apresenta uma tabela de medidas temporárias e não recorrentes em que se confirmam os 1.149 milhões de euros pedidos pelo Novo Banco ao Fundo de Resolução para 2019 e apresenta uma previsão de 600 milhões de euros para 2020 e 400 milhões para 2021.

Questionado sobre o Novo Banco, o ministro das Finanças afirmou que a "estabilidade financeira é um primado absolutamente essencial para o futuro da economia portuguesa e ele deve ser garantido dentro de um quadro em que o Estado aje de acordo com a regras existentes. E foi exatamente isso que fizemos partilhando no Novo Banco aquilo que é o custo desta estabilização financeira. Que não estava nem acautelada, nem projetada nem havia estratégia rigorosamente nenhuma em dezembro de 2015 para se lá chegar".

Em 01 de fevereiro, na apresentação de resultados de 2018 do Novo Banco, a instituição liderada por António Ramalho confirmou que iria pedir 1.149 milhões de euros ao Fundo de Resolução.

"Em resultado das perdas das vendas e da redução dos ativos `legacy`, o Novo Banco irá solicitar uma compensação de 1.149 milhões de euros ao abrigo do atual Mecanismo de Capital Contingente (CCA). Este montante decorre em 69% das perdas assumidas sobre os ativos incluídos no CCA e 31% devido a requisitos regulatórios de aumento de capital no quadro do ajustamento do período transitório dos rácios de capital e ao impacto do [normas de contabilidade] IFRS 9", referiu o banco em comunicado, divulgado na altura.

Em 2018, para fazer face a perdas de 2017, o Novo Banco já tinha recebido uma injeção de capital de 792 milhões de euros do Fundo de Resolução.

O Fundo de Resolução é uma entidade financiada pelas contribuições dos bancos do sistema (entre os quais o público Caixa Geral de Depósitos), mas está na esfera do Estado (conta para o défice orçamental) e é gerido pelo Banco de Portugal.

 

c/Lusa

 

Tópicos:

CCA,

A informação mais vista

+ Em Foco

Gravações da PIDE mostram como a polícia política vigiava os opositores do Estado Novo. A RTP teve acesso a essas gravações e divulga-as pela primeira vez.

Nos 45 anos do 25 de Abril, a RTP mostra-lhe em exclusivo um documento inédito sobre o período do PREC - um documentário de Jacinto Godinho.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.