Greve dos pilotos da Ryanair na Irlanda sem grande grande impacto em Portugal - sindicato

| Economia

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) adiantou hoje que a greve dos pilotos da Ryanair na Irlanda, marcada para quinta-feira, não terá grande impacto em Portugal.

"Deduzimos que o impacto não vá ser grande porque os voos saem da Irlanda e os aviões da Ryanair em Portugal estão baseados em Portugal", disse Bruno Fialho da direção do SNPVAC, em declarações à Lusa.

No entanto, o responsável garantiu que, nos restantes países da Europa, "o impacto será bastante elevado".

De acordo com um comunicado da companhia irlandesa, citado pela agência Efe, está previsto o cancelamento de até 30 dos 290 voos programados.

A Ryanair disse ainda que a greve afetará "apenas" alguns trajetos entre os aeroportos da Irlanda e do Reino Unido, enquanto os voos para a Europa "funcionarão normalmente".

De acordo com a legislação em vigor, em caso de cancelamento ou atraso significativo, a Ryanair é obrigada a apresentar uma rota alternativa aos passageiros, a reorganizar a reserva para outra data ou a reembolsar o valor do bilhete.

Um grupo de pilotos da Ryanair aprovou, em 03 de julho, uma greve de 24 horas para esta quinta-feira, devido à falta de progressos nas negociações com a companhia aérea sobre as suas condições de trabalho.

A decisão foi adotada por "99%" dos pilotos contratados diretamente pela Ryanair, que são filiados na Associação dos Pilotos da Irish Airlines (IALPA), cerca de cem, segundo fontes deste grupo citadas, na altura, pela Efe.

Após meses de negociações, a IALPA diz que a empresa não está a "levar a sério" as exigências dos pilotos e que não houve progressos suficientes em relação à melhoria salarial e condições de trabalho.

Tópicos:

Pilotos, Ryanair, Voo Aviação,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.