IGCP duplica valor da emissão de OTRV para 1.000ME

| Economia

O IGCP - Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública anunciou hoje que decidiu duplicar para 1.000 milhões de euros o valor global da emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV), dirigida ao público em geral, que decorre desde dia 04.

"Informa-se que o Conselho de Administração do IGCP, E.P.E. decidiu aumentar o valor nominal global da emissão de obrigações do tesouro de rendimento variável denominada "OTRV JULHO 2025" para 1.000.000.000 (mil milhões de euros)" avança a agência liderada por Cristina Casalinho no site do organismo.

Segundo explica o IGCP, a possibilidade de decidir aumentar o valor nominal global da emissão de OTRV está "prevista no Memorando de Informação com data de 29 de junho de 2018".

A emissão arrancou a 04 de julho, sendo as OTRV dirigidas ao público em geral, com prazo a sete anos e juro de 1%.

Esta emissão de dívida pública dirigida aos particulares termina em 17 de julho, tendo de ser subscrito um mínimo de mil euros, o valor correspondente a uma ORTV. O máximo de subscrição é um milhão de euros.

O IGCP anunciou inicialmente emitir 500 milhões de euros, mas na altura referia que até 10 de julho poderia decidir aumentar o montante da emissão, o que acabou por acontecer hoje.

Estas ORTV têm uma taxa de juro variável igual à Euribor a seis meses acrescida de 1%, sendo o mínimo de juro de 1%, e reembolso do capital em 23 de julho de 2025.

"À semelhança de outros instrumentos de retalho, a emissão das OTRV promove a aplicação da poupança de médio e longo prazo dos aforradores em títulos de dívida com características idênticas às Obrigações do Tesouro, embora com remuneração variável", refere a agência que gere a dívida pública.

Tópicos:

IGCP P, OTRV,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.