Inflação na China fixou-se em 2,1% em julho

| Economia

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da China, o principal indicador da inflação no país, subiu 2,1%, em julho, face ao mesmo mês do ano passado, informou hoje o Gabinete Nacional de Estatísticas (GNE) chinês.

A subida do IPC deveu-se, sobretudo, ao aumento dos preços dos produtos não alimentares, que se fixou em 2,4%. O preço dos alimentos subiu 0,5%.

O GNE divulgou ainda o Índice de Preços na Produção (IPP), que indica a inflação no setor grossista, e registou um aumento de 4,6%, em julho, em termos homólogos.

Face ao mês anterior, o IPP subiu 0,1%.

Analistas consideram que existe o risco de o IPP abrandar, face à guerra comercial entre Pequim e Washington que resultou já na imposição de taxas alfandegárias sobre importações oriundas dos dois países.

O Governo chinês confirmou em abril que mantém o objetivo da inflação em torno de 3% para este ano, depois de em 2017 o IPC se ter fixado em 1,6%.

 

Tópicos:

Estatísticas GNE, IPP, Pequim,

A informação mais vista

+ Em Foco

Raptos e assassínios de opositores em países estrangeiros, levados a cabo pelos serviços secretos, têm um longo historial.

Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.