Inflação na China fixou-se em 2,1% em julho

| Economia

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da China, o principal indicador da inflação no país, subiu 2,1%, em julho, face ao mesmo mês do ano passado, informou hoje o Gabinete Nacional de Estatísticas (GNE) chinês.

A subida do IPC deveu-se, sobretudo, ao aumento dos preços dos produtos não alimentares, que se fixou em 2,4%. O preço dos alimentos subiu 0,5%.

O GNE divulgou ainda o Índice de Preços na Produção (IPP), que indica a inflação no setor grossista, e registou um aumento de 4,6%, em julho, em termos homólogos.

Face ao mês anterior, o IPP subiu 0,1%.

Analistas consideram que existe o risco de o IPP abrandar, face à guerra comercial entre Pequim e Washington que resultou já na imposição de taxas alfandegárias sobre importações oriundas dos dois países.

O Governo chinês confirmou em abril que mantém o objetivo da inflação em torno de 3% para este ano, depois de em 2017 o IPC se ter fixado em 1,6%.

 

Tópicos:

Estatísticas GNE, IPP, Pequim,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

    Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.