Janeiro com registo negativo no mercado das obras públicas

| Economia

O ano de 2018 começou com um registo negativo no mercado das obras públicas a fazer lembrar valores de 2015 nos concursos promovidos, informou hoje a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN).

Segundo o último barómetro, foram promovidos 82 milhões de euros em concursos de empreitadas de obras públicas, o que traduziu "uma forte queda" de 61% face aos 209 milhões de euros de Janeiro de 2017.

Este valor refletiu ainda, segundo a AICCOPN, uma quebra de 72,6% face a dezembro, é o "mais baixo desde Novembro de 2015", altura em que se registaram 56 milhões de euros.

Em termos de contratos celebrados no primeiro mês do ano, no âmbito de concursos públicos e reportados no Observatório das Obras Públicas, registaram-se 60 milhões de euros, uma descida de 9%, na comparação homóloga.

Na comparação com dezembro, a descida é de 52%, ou seja menos 66 milhões de euros que os 125 milhões de euros registados no final de 2017.

No ajuste direto somaram-se 48 milhões de euros, no primeiro mês de 2018, numa subida de 26% face ao período homólogo e 40% acima do registado em Dezembro do ano passado.

No seu conjunto, o volume total de contratos celebrados no primeiro mês de 2018 foi de 110 milhões de euros, numa descida de 3% face a Janeiro de 2017.

 

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.