Japão diz que acordo económico com UE contribui para "comércio justo e livre"

| Economia

O Governo japonês destacou hoje o contributo do acordo económico entre o Japão e a União Europeia (UE) para o comércio mundial "justo e livre", numa altura em que o protecionismo dos Estados Unidos ameaça o crescimento do setor.

"Perante este movimento atual de protecionismo, o Japão e a UE vão colaborar para avançar com passos firmes no comércio justo e livre", garantiu o porta-voz do governo japonês, Yoshihide Suga, numa conferência de imprensa.

O documento, finalizado em dezembro, vai ser assinado na terça-feira, em Tóquio, palco da cimeira UE-Japão.

A reunião estava agendada para quarta-feira, mas foi adiada devido às chuvas torrenciais e inundações que causaram mais de 200 mortos no país asiático.

"O acordo de livre comércio é muito importante e deve, por isso, entrar em vigor em breve", declarou o porta-voz do governo japonês.

Este tratado, acrescentou, "é um acordo do século XXI e uma estrutura económica que procura a liberdade e a justiça no comércio".

O texto, que define a relação entre dois parceiros que representam 40% do comércio e 30% do Produto Interno Bruto mundial, é o maior pacto comercial negociado pela UE.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e do Conselho Europeu, Donald Tusk, vão marcar marcar presença no evento, juntamente com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

Tópicos:

Interno Bruto,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.