Japão diz que acordo económico com UE contribui para "comércio justo e livre"

| Economia

O Governo japonês destacou hoje o contributo do acordo económico entre o Japão e a União Europeia (UE) para o comércio mundial "justo e livre", numa altura em que o protecionismo dos Estados Unidos ameaça o crescimento do setor.

"Perante este movimento atual de protecionismo, o Japão e a UE vão colaborar para avançar com passos firmes no comércio justo e livre", garantiu o porta-voz do governo japonês, Yoshihide Suga, numa conferência de imprensa.

O documento, finalizado em dezembro, vai ser assinado na terça-feira, em Tóquio, palco da cimeira UE-Japão.

A reunião estava agendada para quarta-feira, mas foi adiada devido às chuvas torrenciais e inundações que causaram mais de 200 mortos no país asiático.

"O acordo de livre comércio é muito importante e deve, por isso, entrar em vigor em breve", declarou o porta-voz do governo japonês.

Este tratado, acrescentou, "é um acordo do século XXI e uma estrutura económica que procura a liberdade e a justiça no comércio".

O texto, que define a relação entre dois parceiros que representam 40% do comércio e 30% do Produto Interno Bruto mundial, é o maior pacto comercial negociado pela UE.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e do Conselho Europeu, Donald Tusk, vão marcar marcar presença no evento, juntamente com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

Tópicos:

Interno Bruto,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.