Jyrki Katainen recusa complacência e insiste em redução da dívida pública portuguesa

| Economia

A redução da dívida pública voltou hoje a ser defendida por um dos quatro vice-presidentes da Comissão Europeia, Jyrki Katainen, que numa visita a Lisboa aproveitou para recordar ser agora a altura certa para cortar na despesa pública.

"As coisas estão mais na direção certa, mas ainda não há espaço para nenhuma complacência", afirmou à Lusa o vice-presidente da Comissão Europeia responsável pelo Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade, Jyrki Katainen, que chegou a Lisboa segunda-feira para reuniões bilaterais e debates públicos.

À margem de uma visita à empresa Vision-Box, em Carnaxide, um dos projetos em Portugal financiados e apoiados pela União Europeia, Jyrki Katainen afirmou que a Comissão Europeia está "muito contente" com o aumento de investimento em Portugal, "até porque o país e as pessoas [que aí habitam] merecem", disse.

Depois de salientar o aumento das exportações, aquele responsável voltou a falar dos "desafios" que persistem em Portugal: "a elevada dívida pública, que temos incentivado os governantes a "continuarem a reduzir", até porque uma dívida pública elevada é uma "grande desvantagem".

Jyrki Katainen defendeu que é quando a economia está a crescer que deve ser feita a redução da dívida pública e Portugal deve investir numa "elevada qualidade" de formação e treino profissional e pode ainda aumentar mais as exportações nacionais.

Sobre o desemprego, reconheceu ser ainda "muito elevado" em Portugal, mas lembrou que o aumento das exportações pode também aumentar o número de postos de trabalho e lembrou que Portugal está em quarto lugar na lista de Estados-membros com maior mobilização de financiamento ao abrigo do Plano Juncker em termos do Produto Interno Bruto (PIB).

Dados hoje divulgados pela Comissão Europeia revelam que, a partir de junho, o Fundo Europeu para os Investimentos Estratégicos (FEIE) vai desencadear um total de 3,9 bilhões de euros em investimentos adicionais em Portugal.

Em termos de projetos de infraestruturas e inovação, o financiamento do Banco Europeu de Investimento (BEI), ao abrigo do FEIE, para os 15 projetos aprovados em Portugal, ascende a quase 700 milhões de euros, o que vai desencadear 2,4 bilhões de euros em investimentos.

Em termos de financiamento das Pequenas e Médias Empresas (PME), o financiamento ao abrigo do FEIE para os sete acordos aprovados com bancos ou fundos intermediários em Portugal ascende a quase 500 milhões de euros, esperando a Comissão Europeia que estes acordos gerem 1,4 mil milhões de euros em investimentos e beneficiem mais de 1.300 PME e empresas de capital médio.

Tópicos:

Médias, Vision Box,

A informação mais vista

+ Em Foco

A causa do incêndio do Pedrogão Grande terá sido uma linha elétrica de média tensão. Esta é uma das principais conclusões do relatório que o professor Xavier Viegas entregou ao Governo.

Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

    Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.

    Os governos espanhol e catalão além de estarem de costas voltadas entrincheiraram-se em narrativas de auto-justificação absolutamente incompatíveis entre si.