Líder da CGTP diz que greve mostrou que Autoeuropa "não vive acima da lei"

| Economia

O secretário-geral da CGTP defendeu hoje que a greve na Autoeuropa mostrou que a fábrica de Palmela "não vive acima da lei" e recusou comentar aquilo que considerou ser "declarações sem crédito" do líder da UGT sobre o assunto.

"Nós não comentamos declarações sem crédito que, neste caso concreto, só identificam as pessoas que as referem", disse Arménio Carlos, durante uma conferência de imprensa sobre a posição da intersindical relativa ao Acordo Económico e Comercial Global UE -- Canadá (CETA).

Questionado pelos jornalistas, o líder da CGTP reagiu assim às declarações proferidas ontem pelo dirigente da UGT, Carlos Silva, que acusou o SITE Sul (sindicato da CGTP) de "uma enorme irresponsabilidade" por ter avançado com a greve na Autoeuropa a 30 de agosto.

Para Arménio Carlos, o importante neste momento "não é esse tipo de matérias que foram proferidas por algumas pessoas", mas sim "valorizar a responsabilidade, a firmeza dos trabalhadores porque, ao fazê-lo, disseram que a Autoeuropa não vive acima da lei em Portugal e não pode impor unilateralmente horários".

O secretário-geral da CGTP considerou que o anúncio feito ontem pelo presidente executivo da Volkswagen, que afastou a hipótese de deslocalização da fábrica de Palmela foi "uma atitude sensata".

"Ora aí está uma atitude sensata que, neste caso concreto, tem como destinatários aqueles que irresponsavelmente continuam a falar daquilo que não sabem ou, por má fé, continuam a atacar os trabalhadores", concluiu Arménio Carlos.

Tópicos:

Arménio, Autoeuropa, CGTP, Palmela, SITE,

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.