Marcelo vê Europa a "voltar aos anos 30" e pede ação conjunta com África

| Economia

António Cotrim - Lusa
|

O Presidente da República considerou hoje que a Europa está "a entrar numa era muito perigosa" de xenofobia, populismo e hipernacionalismo, "a voltar aos anos 30", e nesse contexto apelou a uma ação conjunta com África.

No primeiro "EurAfrican Forum", iniciativa realizada no Centro de Congressos do Estoril e organizada pelo Conselho da Diáspora Portuguesa, do qual é presidente honorário, o chefe de Estado alertou também para a conjuntura global, afirmando que está em curso "uma longa, longa luta de longo prazo sobre quem será o centro económico do mundo em 50 anos".

"Por isso é tão importante o diálogo entre Europa e África. Porque, no meio desta disputa, África pode ser esquecida. Porque, no meio desta disputa, Europa e África juntas são muito mais fortes do que cada um dos dois continentes sozinhos", defendeu Marcelo Rebelo de Sousa.

Sobre o estado da Europa, o Presidente da República declarou: "Estamos a entrar numa era muito perigosa, estamos a voltar aos anos 30 do século passado. Olhamos à volta e vemos xenofobia, vemos não só protecionismo, mas hipernacionalismo, vemos modos fechados de lidar com os vizinhos, vemos tudo o que é o oposto de uma sociedade livre, de comércio livre, de entendimento comum e livre".

"E isso é muito preocupante, porque não é apenas um caso, está a cresce todos os dias. O populismo, o populismo radical está a crescer e a liderar os países. Não apenas os partidos da oposição, movimentos inorgânicos de oposição - não, estamos a falar de governos. Há quase cem anos, começou assim, antes da guerra. Mas é pior, porque hoje o mundo é muito mais complexo do que era", prosseguiu.

Dirigindo-se aos participantes europeus e africanos neste fórum, acrescentou: "Lidar com este tipo de problemas é um desafio para vocês e para nós. Devemos agir juntos".

Tópicos:

Congressos, Diáspora,

A informação mais vista

+ Em Foco

A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

O economista guineense Carlos Lopes, em entrevista à RTP, considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.