Merkel: "Não vamos permitir que sejamos lesados uma e outra vez"

| Economia

Merkel no G7 no Canadá
|

A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou, numa entrevista à ARD, que a União Europeia vai implementar medidas de resposta às tarifas norte-americanas sobre o aço e alumínio, tal como fez o Canadá. Merkel criticou ainda a forma como o presidente Donald Trump decidiu retirar o apoio à declaração final do G7.

"A retirada, pelo tweet, é obviamente... dececionante e um pouco deprimente", disse a chanceler alemã. Para Merkel, o resultado da cimeira que decorreu no Canadá não representa o fim da parceria transatlântica entre a Europa e os EUA mas significa que a União Europeia não pode mais depender do seu aliado.

Como tal, de acordo com a chanceler alemã, tal como o Canadá fez, também a UE está a preparar medidas de resposta às tarifas norte-americanas à importação de aço e alumínio.

"Não vamos permitir que sejamos lesados uma e outra vez. Em vez disso, agimos também".

Questionada se está preocupada com a possibildiade de Trump voltar a retaliar com tarifas na importação de carros da Alemanha, Merkel disse: "Primeiro vamos tentar evitar que isso aconteça... e depois esperar que a União Europeia responda novamente na mesma moeda".

Merkel afirmou ainda que na cimeira do G7 ficou decidido que todos os países iriam analisar as relações comerciais para que sejam evitadas barreiras adicionais. Uma zona livre de tarifas entre os sete seria o ideal, acrescentou.

Quanto à posição defendida por Donald Trump sobre o regresso da Rússia ao G7, Merkel considerou que se trata de um cenário possível, mas que antes terá que verificar progressos na implementação do plano de paz com a Ucrânia. A Rússia foi afastada do então G8 quando anexou a Crimeia em 2014.

Tópicos:

EUA, G7, Trump, União Europeia, Merkel,

A informação mais vista

+ Em Foco

A presidente do CNAPN diz que a chave está nos líderes das mesquitas e pede mais apoio do Alto Comissariado para as Migrações.

    Marco Aurélio de Mello considera que a prisão de Lula da Silva, após condenação em segunda instância, viola a Constituição brasileira.

      Sintra podia ser uma "mini Davos". A sugestão foi feita informalmente por um dos académicos que participou na reunião do BCE concluída em 20 de junho.

        Dados revelados no Digital News Report de 2018 do Reuters Institute.