Ministro das Infraestruturas assegura fundos europeus na reconstrução

| Economia

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas assegurou hoje que serão mobilizados "fundos comunitários e outros" para a recuperação das comunidades afetadas pelos incêndios que deflagraram desde sábado nos distritos de Leiria, Coimbra e Castelo Branco.

"O Governo mobilizará vários instrumentos de fundos comunitários e outros, aqueles que vierem a ser adequados, [mas] para isso obviamente temos que fazer um levantamento no terreno do que se lá passa", afirmou Pedro Marques.

O governante, que falava à margem de uma reunião do Conselho de Concertação Territorial, na residência oficial do primeiro-ministro, em Lisboa, reforçou que, através do levantamento após o rescaldo do incêndio, serão disponibilizados recursos do Estado "sejam eles nacionais ou europeus".

A identificação das "medidas e ações" já está a ser feita com os presidentes de câmara das zonas afetadas pelos incêndios, no sentido da "reabilitação económica, mas sobretudo social" das comunidades locais, frisou o ministro.

Segundo Pedro Marques, no Conselho de Concertação Territorial, constituído por representantes dos governos regionais, áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, comunidades intermunicipais e Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e Associação Nacional de Freguesias (Anafre), foi abordada "numa dimensão estratégica a transformação do ordenamento florestal, [e] as dimensões relacionadas com a Proteção Civil".

"Temos que aprender com as lições de cada situação na preparação exatamente das transformações estratégicas de futuro e que abrangem obviamente esta parte importante do território no seu valor económico, mas sobretudo na sua dimensão de coesão", vincou.

Além da recuperação do potencial agrícola das comunidades afetadas, Pedro Marques reconheceu a necessidade de reformar a floresta, que o Governo já promoveu através da aprovação de "um conjunto de diplomas", alguns da sua competência e outros "em apreciação na Assembleia da República".

"Não se transforma um ordenamento florestal de um dia para o outro, nem com um estalar de dedos", frisou o ministro, apontando a importância da promoção de "medidas ativas" em direção "a mais ordenamento".

O fogo, que deflagrou às 13:43 de sábado, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, alastrou depois aos concelhos vizinhos de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria, e entrou também no distrito de Castelo Branco, pelo concelho da Sertã.

O último balanço dá conta de 64 mortos e 135 feridos. Há ainda dezenas de deslocados, estando por calcular o número de casas e viaturas destruídas. Além de Pedrógão Grande, existem quatro grandes fogos a lavrar nos distritos de Leiria, Coimbra e Castelo Branco.

 

 

Tópicos:

Figueiró Vinhos Castanheira, Pedrógão, Proteção,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.