Montijo. Governo paga 115 milhões à Força Aérea

| Economia

|

Já há acordo para uma coabitação pacífica entre aviões militares e voos civis no futuro aeroporto do Montijo. O jornal Público avança que a Força Aérea vai deslocar uma esquadrilha para Beja e outra para Sintra. A ANA – Aeroportos, gestora do aeroporto, vai pagar 115 milhões de euros pela mudança.

No entanto, há aviões militares que vão continuar na base aérea nº6 do Montijo, como é o caso dos novos KC390, os maiores aviões de que a Força Aérea vai dispor e que vão substituir os Hércules C130, pois são compatíveis com aviões civis.

Segundo o Público, para fechar o processo, falta ainda acertar os detalhes relativos ao modelo de financiamento da construção do novo aeroporto, assente numa lógica que desobriga o Estado de custos de construção do projeto civil do Montijo. O acordo deverá ser assinado nas próximas semanas entre o Governo e a ANA- Aeroportos de Portugal, do grupo francês Vinci.

Das esquadrilhas, que estão atualmente sedeadas na base aérea do Montijo, apenas os helicópteros Lynx, da Marinha e que operam a partir das fragatas da classe Vasco da Gama que atracam no Alfeite, se vão manter.

A base aérea de Sintra vai receber a esquadrilha de helicópteros EH101, que são destinados essencialmente a missões de busca e salvamento e vai manter os Aloutte.

Já os C295, de transporte de tropas e carga, vão ser deslocados para Beja.

À base aérea de Beja vão regressar os aviões de instrução Epsilon, que atualmente estão em Sintra.

Tópicos:

ANA - Aeroportos de Portugal, Base aérea, Beja, Governo, Sintra, aeroporto, aviões, voos, Montijo,

A informação mais vista

+ Em Foco

Raptos e assassínios de opositores em países estrangeiros, levados a cabo pelos serviços secretos, têm um longo historial.

Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.