Moody`s tira depósitos do BPI do `lixo`

| Economia

A Moody`s reviu hoje em alta o `rating` dos depósitos do BPI, que saem assim do nível de `lixo`, e melhorou a nota da dívida de longo prazo do banco, que está a um passo do nível de investimento.

A agência de notação financeira indicou hoje que o `rating` dos depósitos de longo e curto prazo subiram de `Ba3` para `Baa3`, ficando assim num nível considerado de investimento de qualidade e não especulativo, o chamado `lixo`.

Também o `rating` da dívida de longo prazo do BPI subiu, continuando no entanto num nível de investimento especulativo: a classificação da dívida sénior não garantida passou de `Ba3` para `Ba1`, estando a um nível da saída do `lixo`.

A Moody`s melhorou ainda a perspetiva dos `ratings` do banco, de estável para positiva, sinalizando que poderá voltar a subir as notas atribuídas ao banco português.

Esta revisão em alta dos `ratings` do BPI "reflete a combinação de vários fatores", nomeadamente as melhorias alcançadas nos fundamentais financeiros do banco desde que o espanhol Caixa Bank assumiu a maioria do capital em fevereiro de 2017.

Também a "integração mais próxima em curso" do BPI no grupo foi tida em consideração pela avaliação agora feita pela Moody`s.

A perspetiva positiva reflete "a pressão ascendente" que se pode desenvolver na dívida de longo prazo e nos `ratings` dos depósitos.

Isto "se as tendências positivas atuais sobre fundamentos financeiros do banco se consolidarem ao longo do período do da perspetiva", acrescenta a agência de notação financeira.

Tópicos:

BPI,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.