Movimento pelo Interior defende transferência de serviços públicos com incentivos para funcionários

| Economia

O Movimento pelo Interior quer que a Administração Pública transfira 25 serviços para o interior em três legislaturas e, para isso, defende incentivos para os funcionários, como a majoração do tempo de serviço para efeitos de carreira e reforma.

Estas são algumas das medidas que integram o Relatório Final do Movimento pelo Interior (MPI), que vai ser apresentado na sexta-feira em Lisboa, na presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do primeiro-ministro, António Costa, e do presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues.

O ex-presidente do Conselho Económico e Social (CES) José Silva Peneda, um dos mentores do movimento, disse hoje à agência Lusa que se trata de um documento "propositadamente curto", focado em três áreas - a fiscal, a da educação, ciência e ensino superior, e a da ocupação do território por serviços do Estado.

"Cada área tem seis ou sete medidas, algumas delas radicais, para ajudar ao desenvolvimento do interior do país", afirmou.

É o caso da transferência de serviços da Administração Pública para o interior, ao ritmo de dois por ano, "com o objetivo de serem transferidos 25 serviços em três legislaturas".

"Mas devem ser dados incentivos aos funcionários, pois à força ninguém vai", considerou Silva Peneda.

Os incentivos propostos pelo MPI passam pela atribuição de mais um salário por ano aos funcionários que acompanhem a transferência dos serviços públicos e pela majoração do tempo de serviço para progredir na carreira e para atingir a idade da reforma.

Os direitos de parentalidade também seriam melhorados, segundo o MPI.

Silva Peneda defendeu ainda que o Estado deve persuadir as grandes empresas a investir no interior.

Por isso, segundo o antigo presidente do CES, o relatório do MPI defende que os investimentos superiores a 25 milhões de euros que contem com apoios do Estado devem obrigatoriamente localizar-se no interior do país.

"As empresas é que escolhem a sua localização, mas se não forem para o interior não devem ter apoios do Estado", disse.

O antigo ministro do Emprego considerou que "a vida é muito melhor nas cidades do interior e é mais económica, sobretudo para quem tem um emprego qualificado, mas são sempre necessários incentivos para as pessoas aceitarem a mudança".

O Movimento Pelo Interior foi criado no final do ano passado exclusivamente com o objetivo de apresentar um conjunto de medidas para corrigir os desequilíbrios estruturais do país, após o que se extinguirá.

Além de Silva Peneda, o movimento integra o presidente da Câmara da Guarda e dos Autarcas Social-Democratas, Álvaro Amaro, o presidente da Câmara de Vila Real e presidente dos autarcas socialistas, Rui Santos, o presidente do Conselho de Reitores, António Fontaínhas Fernandes, o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Politécnicos, Nuno Mangas, o presidente do Grupo Visabeira, Fernando Nunes, e o fundador do Grupo Delta, Rui Nabeiro.

Tópicos:

Coordenador Institutos Politécnicos, Delta, Democratas Álvaro, MPI, Reitores, Visabeira,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.