Oi adia para 28 de maio divulgação de informações financeiras do 1.º trimestre

| Economia

A operadora brasileira Oi anunciou hoje que adiou de 15 para 28 de maio a divulgação das informações financeiras trimestrais e do relatório de revisão dos auditores independentes relativos ao primeiro trimestre de 2018.

Em comunicado ao mercado, a Oi justifica o adiamento com "uma reavaliação conjunta da companhia e dos auditores independentes em relação ao momento adequado para o reconhecimento contábil da reestruturação da dívida, novada nos termos do Plano de Recuperação Judicial".

A operadora -- da qual a Pharol é acionista de referência, com 27% das ações -- afirma que, na sequência do "adiamento da divulgação das informações financeiras relativas ao primeiro trimestre de 2018 e para garantir a estabilidade das expectativas do mercado", optou por antecipar alguns indicadores financeiros preliminares do seu resultado, com base em informações ainda não auditadas.

Assim, a operadora avança que o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) no primeiro trimestre foi de 1,56 mil milhões de reais (0,36 mil milhões de euros ao câmbio de hoje).

A Oi está num processo de recuperação judicial desde 2016 com o objetivo de reduzir o passivo da empresa, que ronda os 65,4 mil milhões de reais (cerca de 16 mil milhões de euros).

O Plano de Recuperação Judicial propõe-se a reduzir o passivo da empresa, através da conversão de 72,12% da dívida suportada pelos credores, aos quais serão concedidos direitos sobre a companhia.

A operadora brasileira esteve num processo de fusão com a Portugal Telecom, que nunca se concretizou.

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.