OPEP adverte para possível excesso de oferta e pede responsabilidade

| Economia

A Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) advertiu hoje que a oferta de crude pode crescer mais do que a procura em 2019, pedindo "responsabilidade" aos produtores para evitar um novo desequilíbrio do mercado.

Esta advertência foi feita a um mês de o grupo decidir se mantém a sua estratégia de redução da produção.

"Embora se espere que a procura de crude cresça a um ritmo moderado em 2019, ainda continua abaixo do forte crescimento que é esperado da oferta de produtores fora da OPEP para este ano", assinalou o grupo, no seu relatório mensal sobre o mercado, publicado em Viena.

A OPEP pede, nessa perspetiva, uma "responsabilidade partilhada" de todos os países produtores para "evitar um novo desequilíbrio" e para se apoiar a estabilidade do mercado ao longo do ano.

Nos próximos dias 17 e 18 de abril, a OPEP e 10 outros produtores que assinaram em dezembro um acordo para reduzir a produção e evitar a queda do preço do petróleo vão reunir-se em Viena para decidir se vão manter depois de junho a política de cortes na produção.

O preço médio do barril da OPEP foi em fevereiro de 63,83 dólares, 15% mais do que em dezembro.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem vindo a defender que a OPEP não reduza a produção para que os preços não subam.

Segundo os cálculos atualizados de oferta e de procura, a OPEP prevê que o consumo de crude em 2019 cresça 1,25%, ligeiramente menos do que em 2018, para 99,96 milhões de barris diários.

Em relação aos outros países produtores, o grupo prevê que a extração aumente 3,6%, mais do que o previsto até agora, chegando a 64,43 milhões de barris diários.

Os Estados Unidos, com a produção de petróleo de xisto, continua a ser a origem da maior parte do petróleo extra que circulará.

Com 18,45 milhões de barris por dia, os Estados Unidos consolidam-se como o principal produtor do mundo, à frente da Rússia e da Arábia Saudita.

A procura de petróleo por parte da China vai continuar a aumentar em 2019, segundo a OPEP, mas a um ritmo mais lento do que no ano passado, em paralelo com o abrandamento do seu crescimento económico.

A OPEP assinala a desaceleração do crescimento económico mundial (de 3,6% em 2018 para 2,3% este ano) como um dos elementos que contribuem para um abrandamento da evolução do consumo.

Na equação entre oferta e procura, a OPEP espera que esta última seja de menos 3% em relação ao ano passado, o que pode ser usado como argumento para manter a política de cortes da produção.

No passado mês de fevereiro, a produção conjunta dos 14 países da OPEP foi, segundo dados externos ao cartel, de 30,55 milhões de barris por dia, menos um milhão do que em dezembro.

O membro da OPEP que registou a maior queda na produção foi a Venezuela, que em fevereiro extraiu menos 12% de crude do que no mês anterior, seguindo uma tendência dos últimos meses, devido à crise política no país, a problemas técnicos na indústria petrolífera e a sanções dos Estados Unidos.

A OPEP cumpriu assim a sua parte do compromisso de retirar 800 mil barris por dia da oferta, enquanto a Rússia não só não cortou a sua produção, como a aumentou.

Tópicos:

Viena OPEP,

A informação mais vista

+ Em Foco

É até hoje a mais icónica das aventuras da exploração espacial. Há 50 anos, o Homem chegava à Lua à boleia da NASA. Percorrermos aqui todos os detalhes da missão, dia a dia.

    O programa Artemis, da NASA, tem como objetivo regressar ao satélite natural da Terra e, simultaneamente, preparar a viagem a Marte.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.