Organização diz desconhecer queixas de jornalistas no acesso à informação

| Economia

O presidente executivo da Web Summit, Paddy Cosgrave, disse hoje "desconhecer" restrições impostas aos jornalistas que cobrem o evento no acesso à informação, depois de o sindicato português ter alertado para esta situação.

"Não tenho conhecimento das queixas do Sindicato dos Jornalistas sobre o acesso à informação", disse Paddy Cosgrave, que falava em conferência de imprensa na Web Summit, em Lisboa, após ter sido questionado pela agência Lusa.

E acrescentou: "Quero saber do que se trata e alguém me deverá pôr a par da situação".

Na terça-feira, o Sindicato dos Jornalistas alertou para restrições impostas pela Web Summit à liberdade de movimentos, nomeadamente na captação de imagens na cimeira tecnológica.

De acordo com as normas para captação de imagens na Web Summit, a que a Lusa teve acesso, não é permitido filmar o conteúdo de qualquer um dos palcos da conferência, `stands` patrocinados e `workshops` de parceiros, sendo neste dois casos necessária a autorização do patrocinador no local.

Em comunicado, a estrutura sindical indicou que foi "alertada para as restrições impostas pela Web Summit à liberdade de movimentos dos jornalistas a pretexto da proteção de dados".

O Sindicato dos Jornalistas notou que o novo Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD), que entrou em vigor em maio deste ano, "deve ter em conta a especificidade do trabalho dos jornalistas, baseado na liberdade de expressão e de informação, tal como definido na posição conjunta, subscrita por doze organizações ligadas ao setor da comunicação social".

Confrontado com as barreiras à captação de imagem, Paddy Cosgrave hoje observou que "a transmissão de vídeo é livre".

Também questionado pela Lusa sobre onde vai ser o jantar final da organização este ano, que no ano passado foi polémico por se ter realizado no Panteão Nacional, Paddy Cosgrave escusou-se a revelar o local.

Mas garantiu: "O jantar não é no Panteão".

Na edição do ano passado, a utilização do espaço do Panteão Nacional para a realização de um jantar exclusivo de convidados da Web Summit gerou polémica no país.

Esta situação motivou várias críticas e levou a organização a pedir desculpas "por qualquer ofensa causada" e a garantir que a ocasião, "conduzida com respeito", cumpriu as regras do local.

A Web Summit termina hoje no Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), sendo esperados mais de 70 mil participantes de 170 países naquela que é a terceira edição de 13 previstas em Lisboa.

Questionado sobre planos para as próximas edições, Paddy Cosgrave disse que gostaria de criar uma "cimeira em `podcast` com entrevistas" com personalidades e especialistas, que aconteceria ao final da tarde, depois do horário das conferências.

"Muitos portugueses sugeriram cimeiras de golfe, de vinho [...] e acho que devíamos fazer uma cimeira de vinho", referiu, realçando que este produto português "é desvalorizado e tem muita qualidade".

E adiantou: "Há muitas possibilidades [de iniciativas paralelas] para os próximos dez anos".

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Portugal e desde essa altura terá gerado um impacto económico de mais de 500 milhões euros.

Inicialmente, estava previsto que a cimeira ficasse por apenas três anos, mas em outubro deste ano foi anunciado que o evento continuará a ser realizado em Lisboa por mais 10 anos, ou seja, até 2028, mediante contrapartidas anuais de 11 milhões de euros e a expansão da FIL.

Tópicos:

Altice Arena, Panteão,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      A menos de 100 quilómetros da fronteira com a Síria, a cidade turca de Gaziantep é uma terra de tradições e sabores.

      Fotografias da autoria do artista berlinense Martin Dammann lançam luz sobre o lado mais obscuro da Wehrmacht.