Pequim inaugura novo aeroporto em outubro de 2019

| Economia

|

Pequim inaugura em 1 de Outubro de 2019, data do 70.º aniversário da fundação da República Popular da China, o segundo aeroporto internacional da cidade, informou hoje o jornal oficial China Daily.

Segundo o jornal, que cita fontes ligadas ao projeto, as obras de engenharia foram concluídas em junho passado, e decorre agora a instalação dos equipamentos, um processo que demorará três meses.

A construção do terminal do aeroporto foi concluída no final de 2017, e decorrem agora os trabalhos de decoração, acrescenta o China Daily.

O novo aeroporto situa-se no distrito de Daxing, no sul de Pequim, e contará com quatro pistas de aterragem e descolagem e 268 espaços para os aviões estacionarem.

A estrutura terá capacidade para 620.000 voos anuais.

Entre as companhias que usarão o novo aeroporto, ainda sem nome, constam as estatais chinesas China Eastern Airlines e China Southern Airlines.

O objetivo das futuras instalações é reduzir o trafego do aeroporto internacional da capital, no noroeste de Pequim, que mostra sinais de sobrelotação, apesar de ter inaugurado um terceiro terminal há dez anos, a propósito dos Jogos Olímpicos de 2008.

No ano passado, 95 milhões de pessoas passaram por aquele aeroporto, o segundo mais movimentado do mundo, apenas superado pelo norte-americano de Atlanta.

O novo aeroporto da capital chinesa localiza-se a quase 50 quilómetros do centro da cidade e começou a ser construído em dezembro de 2014.

 

Tópicos:

Olímpicos,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.