Pilotos da Ryanair na Irlanda de novo em greve em 20 e 24 de Julho

| Economia

|

Os pilotos contratados diretamente pela Ryanair na Irlanda, cerca de cem, confirmaram hoje que vão voltar a fazer greve em 20 e 24 de Julho, depois da greve de quinta-feira ter afetado cerca de 5.000 passageiros.

A estes protestos, de 24 horas, da Associação de Pilotos Irlandeses de Linhas Aéreas (IALPA), filiada no sindicato Fórsa, vão seguir-se as greves dos tripulantes de cabine da Ryanair em Portugal, Espanha, Bélgica e Itália nos próximos dias 25 e 26 de Julho.

A Ryanair instou hoje os pilotos a regressarem à mesa de negociações para abordar os "onze pedidos chave" do sindicato, que incluem, entre outros, o reconhecimento da antiguidade como critério de promoção e a introdução de um sistema que regule a mobilidade entre as bases da companhia aérea.

A companhia, radicada em Dublin, sublinhou que a IALPA não conseguiu avanços depois da paragem de 24 horas convocada esta quinta-feira, que provocou o cancelamento de cerca de 30 dos 290 voos programados, todos entre a Irlanda e o Reino Unido.

Os cerca de 5.000 clientes afetados receberam a devolução do preço do bilhete ou foram reencaminhados para outros voos para chegar ao destino.

Segundo a companhia aérea, o protesto da IALPA teve um impacto limitado graças, também, aos "esforços da maioria" dos pilotos que trabalharam na quinta-feira "com normalidade", numa referência ao resto dos pilotos na Irlanda, cerca de 250, que estão contratados através de agências ou são autónomos.

Tópicos:

Ryanair,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.