PM não quer Alentejo a "ver os comboios passar" com nova linha Sines-Caia

| Economia

O primeiro-ministro, António Costa, considerou hoje "fundamental" que o Alentejo não fique a "ver os comboios passar" com a linha ferroviária do Corredor Internacional Sul Sines-Elvas (Caia) e defendeu a fixação de empresas na região.

Trata-se de uma obra "absolutamente essencial" para "melhorar a competitividade externa" e a "coesão interna" do país, realçou o chefe do Governo, em Redondo, no distrito de Évora, na cerimónia de adjudicação da empreitada de construção de um dos troços desta linha ferroviária de mercadorias.

Segundo António Costa, que já antes tinha ouvido o presidente da Câmara de Redondo, António Recto, a alertar para a importância de o projeto contribuir para o desenvolvimento da região e de os alentejanos não ficarem a "ver passar os comboios", esta linha ferroviária "é uma oportunidade" para "criar uma maior coesão interna".

"E é por isso que é fundamental que esta linha que atravessa toda esta grande planície alentejana não seja uma obra para que quem cá vive fique, como disse o senhor presidente, a ver os comboios passar", assinalou o primeiro-ministro.

Pelo contrário, defendeu, "tem que ser mais uma oportunidade para que as empresas aqui se fixem e possam ver nesta infraestrutura uma melhor oportunidade de, instalados no Alentejo, terem melhores condições de exportar para a Europa ou exportar para todo o mundo a partir do Porto de Sines".

A cerimónia realizada hoje em Redondo assinalou a adjudicação pela Infraestruturas de Portugal (IP) da empreitada para a construção do novo troço Évora Norte/Freixo, o primeiro de três da ligação Évora Norte/Elvas, no Corredor Internacional Sul que vai ligar o Porto de Sines à fronteira do Caia, no concelho de Elvas.

A obra, num valor de 46,6 milhões de euros, tem um prazo de execução de 540 dias e está inscrita no Programa Ferrovia 2020.

Tópicos:

Alentejo, Câa Redondo, Elvas,

A informação mais vista

+ Em Foco

Entre 1999 e 2002 nasceram três novos bairros. Passadas duas décadas, muitos residentes dizem-se abandonados.

Entrevista da correspondente da RTP em França, Rosário Salgueiro.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.