Polícias e militares marcam para Maio vigília junto ao Palácio de Belém

| Economia

Polícias e militares começam a 2 de Maio uma vigília junto ao Palácio de Belém, em Lisboa, em protesto contra o congelamento das carreiras profissionais, foi hoje anunciado.

Em conferência de imprensa conjunta, as estruturas representativas dos polícias e dos militares referiram que a vigília junto da Presidência da República não tem data para terminar, anunciando também que vão participar na manifestação do dia 25 de Abril, em Lisboa e no Porto.

A conferência de imprensa foi realizada pela Associação Sindical dos Profissionais da Polícia, Associação dos Profissionais da Guarda, Associação Nacional de Sargentos, Associação de Oficiais das Forças Armadas e Associação de Praças, Associação Nacional de Sargentos da Guarda e Sindicato Independente dos Agentes de Polícia.

Depois de terem enviado uma moção ao primeiro-ministro e um documento ao Presidente da República para exigirem o descongelamento das carreiras, como está previsto no Orçamento do Estado de 2018, os dirigentes das estruturas que representam os elementos das forças de segurança e militares das Forças Armadas realizaram o encontro com os jornalistas, devido "a ausência de soluções concretas".

Tópicos:

Belém,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.