Polícias e militares marcam para Maio vigília junto ao Palácio de Belém

| Economia

Polícias e militares começam a 2 de Maio uma vigília junto ao Palácio de Belém, em Lisboa, em protesto contra o congelamento das carreiras profissionais, foi hoje anunciado.

Em conferência de imprensa conjunta, as estruturas representativas dos polícias e dos militares referiram que a vigília junto da Presidência da República não tem data para terminar, anunciando também que vão participar na manifestação do dia 25 de Abril, em Lisboa e no Porto.

A conferência de imprensa foi realizada pela Associação Sindical dos Profissionais da Polícia, Associação dos Profissionais da Guarda, Associação Nacional de Sargentos, Associação de Oficiais das Forças Armadas e Associação de Praças, Associação Nacional de Sargentos da Guarda e Sindicato Independente dos Agentes de Polícia.

Depois de terem enviado uma moção ao primeiro-ministro e um documento ao Presidente da República para exigirem o descongelamento das carreiras, como está previsto no Orçamento do Estado de 2018, os dirigentes das estruturas que representam os elementos das forças de segurança e militares das Forças Armadas realizaram o encontro com os jornalistas, devido "a ausência de soluções concretas".

Tópicos:

Belém,

A informação mais vista

+ Em Foco

Raptos e assassínios de opositores em países estrangeiros, levados a cabo pelos serviços secretos, têm um longo historial.

Logo após a recuperação das armas roubadas, o ex-chefe do Estado-Maior do Exército proibiu a PJ de entrar na base de Santa Margarida.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.