Portugal com segundo maior excedente da UE no terceiro trimestre

| Economia

Portugal conservou, no terceiro trimestre do ano passado, a terceira dívida pública mais elevada, com um peso de 125 por cento sobre o PIB
|

Portugal teve, no terceiro trimestre de 2018, o segundo maior excedente orçamental da União Europeia. Os dados são do Eurostat, que atribui também ao país o terceiro maior recuo homólogo da dívida pública no mesmo período, embora o peso sobre o Produto Interno Bruto tenha permanecido como o terceiro mais elevado, atrás de Grécia e Itália.

No terceiro trimestre de 2018, o excedente das contas públicas portuguesas era de 3,6 por cento do PIB. Trata-se do segundo maior da União Europeia e da segunda maior subida relativamente ao trimestre anterior, na ordem dos 6,4 pontos.

A dívida portuguesa manteve-se estável relativamente ao segundo trimestre de 2018.

No trimestre de abril a junho, as contas públicas do país apresentavam um défice de 2,8 por cento. No mesmo período de 2017, a derrapagem era de 3,6 por cento.

O maior excedente orçamental do período de julho a setembro, segundo os números do gabinete europeu de estatísticas, pertenceu a Malta, com 3,8 por cento, à frente de Portugal e da Bulgária, ambos com 3,6 por cento.

O maior défice público foi apresentado pela Roménia, com um rácio de 3,6 por cento sobre o PIB, à frente de França, com um défice de 3,1 por cento, e da Letónia, com -2,1 por cento.

O défice público da Zona Euro foi de 0,3 por cento do PIB, acima do registado no trimestre anterior – 0,5 por cento – e do mesmo trimestre de 2017, então de 0,7 por cento.

No conjunto da União Europeia, o peso do défice sobre o PIB cresceu para 0,6 por cento de julho a setembro, contra 0,4 por cento no trimestre anterior. Por contraste, decresceu face ao terceiro trimestre de 2017, quando se fixava em 0,8 por cento.
Dívida pública
Ainda de acordo com os números esta segunda-feira libertados pelo Eurostat, a dívida pública portuguesa manteve-se, no terceiro trimestre de 2018, como a terceira mais alta, a pesar 125 por cento sobre o PIB, embora se tenha registado uma quebra homóloga.

Face ao mesmo período do ano anterior, a dívida pública do país caiu em 4,6 pontos percentuais, naquele que foi mesmo o terceiro recuo homólogo. Manteve-se, no entanto, atrás das dívidas grega, de 182,2 por cento do PIB, e italiana, de 133 por cento.

Chipre e Bélgica tinham no terceiro trimestre rácios de dívida de 110,9 e 105,4 por cento, respetivamente.

As dívidas públicas mais reduzidas registaram-se na Estónia (oito por cento), no Luxemburgo (21,7 por cento) e na Bulgária (23,1 por cento).

No bloco da moeda única, o rácio da dívida pública recuou para 86,1 por cento do PIB relativamente 88,2 por cento homólogos e aos 86,3 por cento do segundo trimestre de 2018. Na União Europeia, regrediu para 80,8 por cento face aos 82,5 do terceiro trimestre de 2017 e aos 81,0 por cento do período de abril a junho do ano passado.

As quedas mais pronunciadas ocorreram, assim, na Eslovénia (-8,0 pontos percentuais), em Malta (-6,8), em Portugal (-6,4) e na Áustria (-4,3 pontos). Chipre (9,7 pontos), Grécia (7,4), Reino Unido (0,4) e Eslováquia (0,1) foram os países-membros que viram a dívida pública crescer face a 2017.

c/ Lusa

Tópicos:

Dívida, Eurostat, Excedente, Orçamental, Pública, União Europeia, Zona Euro,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em Pedrógão Grande, dois anos depois dos incêndios, quase só os estrangeiros são atraídos para a região.

Uma equipa da RTP acompanhou o curso dos novos seguranças pessoais, "sombras" de quem protegem.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.