Portugueses viajam menos para o estrangeiro no Natal e Ano Novo (IPDT)

| Economia

Os portugueses deverão viajar menos para o estrangeiro neste Natal e Ano Novo do que em 2017, segundo um estudo efetuado pelo IPDT, especializado em consultoria na área, em parceria com a Soltrópico.

Assim, o relatório, baseado em 408 questionários, concluiu que "em relação ao estudo semelhante realizado pelo IPDT, no período homólogo de 2017, destaca-se que a intenção para fazer férias no estrangeiro é inferior à do ano passado. Esta menor propensão para viajar para fora este ano estará associada a uma redução nos gastos e na estada média".

Ainda assim, são mais os portugueses que viajam nesta altura, só que a maioria fica em Portugal (74%). "Os resultados representam um ligeiro acréscimo de 1,3 pontos percentuais no número de portugueses que tencionam fazer férias fora de casa neste período, face a 2017", avançou o IPDT.

O estudo revela que cerca de quatro em cada 10 portugueses "planeiam fazer uma pausa fora de casa durante este período. Destes, a larga maioria fica em território nacional -- as regiões do Porto e Norte e do Centro surgem como destinos preferenciais", segundo o relatório.

A escolha dos destinos prende-se com a presença de amigos e familiares, sobretudo, sendo que os portugueses que pretendem viajar nesta época optaram preferencialmente pelas reservas na Internet.

Quase 22% deverão ficar em casa de familiares e amigos e 37% ficam em hotéis de todas as categorias.

Por sua vez, a estadia "média vai rondar as 3,5 noites, estimando-se que cada turista nacional gaste, em média, quase 200 euros nas férias do próximo Natal/Fim de ano, a que corresponde um gasto por noite e turista de 57 euros", destaca o estudo.

A recolha de dados do estudo de intenções de férias para o Natal e fim de ano de 2018 decorreu entre 25 de novembro e 05 de dezembro de 2018, com a aplicação de um questionário promovido através de uma campanha `online`. Obtiveram-se 408 questionários válidos, segundo o IPDT.

Tópicos:

IPDT, Soltrópico,

A informação mais vista

+ Em Foco

Francisco Veloso, reitor da Imperial College Business School, traça os cenários possíveis após a rejeição do acordo.

O presidente da Câmara dos Comuns é, digamos assim, o equivalente ao presidente da Assembleia da República em Portugal.

Neste Manual do Brexit, explicamos em 12 pontos o que está em causa e os cenários que se colocam.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.