Presidente do Banco Santader pede mais justiça regulatória para a banca poder inovar

| Economia

A presidente do Banco Santander, Ana Botín, pediu hoje um marco regulatório "mais justo" para a era digital que permita aos bancos inovar e serem competitivos.

Botin que falava durante a assembleia-geral de acionistas alega que hoje em dia a regulamentação é mais exigente com a banca do que com as grandes plataformas que fazem as mesmas atividades.

"Isto não pode ser assim e deve mudar", referiu, adiantando que dar um crédito ou fazer um pagamento tem os mesmos riscos seja feito por um banco ou outra empresa.

Na opinião de Botin, a sociedade precisa de bancos seguros, mas com capacidade para poderem ser competitivos.

Para conseguir este objetivo Botin defende uma regulamentação que garanta as mesmas regras para todos os que realizam a mesma atividade em linha com as teses de outros grandes banqueiros.

Durante a assembleia-geral, Botin também apresentou aos acionistas uma nova imagem de marca do Banco de Santander, "mais moderna e adequada aos canais digitais e aos telemóveis", que mantém a cor vermelha e a característica chama.

A principal mudança é que agora a marca Santander tem uma tipografia própria e "mais estilizada", com as letras num vermelho mais brilhante e "mais adaptado ao ambiente digital", afirmou Botin.

Na nova imagem, a utilização da cor branca foi aumentada com a ideia de dar mais visibilidade, transparência e simplicidade, adiantou.

A atualização da marca permite a convivência durante um tempo da nova marca e a antiga de forma que a mudança seja progressiva e deverá começar no âmbito digital, designadamente Internet, telemóveis, redes sociais e caixas automáticas.

Tópicos:

Santander,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.