Presidente do Banco Santader pede mais justiça regulatória para a banca poder inovar

| Economia

A presidente do Banco Santander, Ana Botín, pediu hoje um marco regulatório "mais justo" para a era digital que permita aos bancos inovar e serem competitivos.

Botin que falava durante a assembleia-geral de acionistas alega que hoje em dia a regulamentação é mais exigente com a banca do que com as grandes plataformas que fazem as mesmas atividades.

"Isto não pode ser assim e deve mudar", referiu, adiantando que dar um crédito ou fazer um pagamento tem os mesmos riscos seja feito por um banco ou outra empresa.

Na opinião de Botin, a sociedade precisa de bancos seguros, mas com capacidade para poderem ser competitivos.

Para conseguir este objetivo Botin defende uma regulamentação que garanta as mesmas regras para todos os que realizam a mesma atividade em linha com as teses de outros grandes banqueiros.

Durante a assembleia-geral, Botin também apresentou aos acionistas uma nova imagem de marca do Banco de Santander, "mais moderna e adequada aos canais digitais e aos telemóveis", que mantém a cor vermelha e a característica chama.

A principal mudança é que agora a marca Santander tem uma tipografia própria e "mais estilizada", com as letras num vermelho mais brilhante e "mais adaptado ao ambiente digital", afirmou Botin.

Na nova imagem, a utilização da cor branca foi aumentada com a ideia de dar mais visibilidade, transparência e simplicidade, adiantou.

A atualização da marca permite a convivência durante um tempo da nova marca e a antiga de forma que a mudança seja progressiva e deverá começar no âmbito digital, designadamente Internet, telemóveis, redes sociais e caixas automáticas.

Tópicos:

Santander,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Estado de Kerala, na Índia, está a enfrentar as piores cheias do último século. As chuvas torrenciais fizeram 350 mortos e deixaram cerca de 350 mil pessoas desalojadas.

    Os depósitos foram descobertos nas regiões polares. Se houver gelo suficiente na superfície, a água poderá ser utilizada em futuras missões ao satélite natural.

    Ocupou durante 60 anos vários cargos nas Nações Unidas e viria a deixar a sua marca na história da organização. Kofi Annan morreu em Berna aos 80 anos.

    Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.