Presidente do município de Coimbra destaca resiliência dos autarcas no projeto do `metrobus`

por Lusa

O presidente da Câmara de Coimbra destacou hoje que a capacidade de "resiliência" dos autarcas abrangidos pelo Sistema de Mobilidade de Mondego (SMM) foi determinante para se chegar à consignação das primeiras empreitadas para a instalação do `metrobus`.

Manuel Machado, que discursava na cerimónia de consignação da abertura do canal do `metrobus` (autocarros elétricos) na Baixa de Coimbra, numa extensão de 32 metros, disse que "este bocadito que falta é o sinal que o SMM, este sonho, se vai tornar realidade".

Destacando a importância da obra, o autarca sublinhou que, sem esta intervenção, "nunca seria possível viabilizar o SMM", que prevê a circulação de autocarros elétricos no antigo ramal ferroviário da Lousã e na cidade de Coimbra.

Perante o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, que presidiu à cerimónia, o autarca manifestou ainda a intenção de, posteriormente, expandir as linhas de `metrobus` a concelhos vizinhos, como Condeixa-a-Nova.

A empreitada de abertura do canal de `metrobus` na Baixa de Coimbra vai ligar a frente do rio Mondego à Rua da Sofia, permitindo a execução da Linha do Hospital do SMM.

Trata-se de um investimento de 3,5 milhões de euros, com um prazo de execução de 23 meses, que integra a reconstrução de vários imóveis e a construção do edifício-ponte, da autoria do Arquiteto Gonçalo Byrne.

A Linha do Hospital do `metrobus` fará a ligação da zona da Baixa de Coimbra e do Ramal da Lousã à zona de Celas, onde se localizam os Hospitais da Universidade de Coimbra, IPO, Hospital Pediátrico, e as Faculdades de Medicina e Farmácia.

Antes, o ministro das Infraestruturas e da Habitação tinha também presidido à sessão de consignação da empreitada de adaptação do Ramal da Lousã (desativado há 10 anos) à circulação de veículos do tipo "metrobus", entre aquela localidade e o Alto de São João (Coimbra), numa extensão de 30 quilómetros.

A obra foi consignada por 23,7 milhões de euros, com um prazo de execução de 15 meses.

"Começa hoje a contagem para a concretização da ligação Coimbra-Serpins (Lousã) e arranca a concretização da linha estruturante e essencial de acesso aos nossos hospitais, à zona mais densamente povoada da cidade e, portanto, estamos a dar um passo notável", rematou Manuel Machado.

Tópicos
pub