Principal índice de Tóquio supera 21.000 pontos pela primeira vez em quase 21 anos

| Economia

O principal índice da bolsa de Tóquio, o Nikkei, superou hoje a marca de 21.000 pontos pela primeira vez desde dezembro de 1996, impulsionado pelas boas perspetivas relativamente à terceira economia mundial e pelos ganhos das empresas japonesas.

Às 11:00 (03:00 em Lisboa), duas horas após a abertura do mercado, o índice de referência da praça financeira de Tóquio valorizava 63,08 pontos, ou 0,30%, cotando-se nos 21.017,80 pontos.

O segundo indicador, o Topix, avançava 0,47 pontos, ou 0,03%, até aos 1.700,60 pontos.

Apesar de a ter arrancado praticamente inalterado, o Nikkei recuperou rapidamente devido ao otimismo generalizado entre os investidores.

Esse otimismo resulta dos prometedores indicadores sobre a terceira economia mundial e da possibilidade de o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, renovar o seu mandato após as eleições do próximo dia 22, o que permitiria a continuidade da ambiciosa estratégia de crescimento económico conhecida como "Abenomics".

De acordo com analistas, algumas empresas japonesas, incluindo as tecnológicas Sony, Sony, Nintendo e Kyocera ou a transportadora aérea JAL, deverão anunciar sólidos ganhos nos resultados que vão começar a divulgar nas próximas semanas.

Em paralelo, o dólar norte-americano manteve-se na faixa dos 112 ienes, uma tendência que favorece o músculo exportador do Japão.

Tópicos:

Sony Sony Nintendo, Topix, Tóquio,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.