Produção das barragens abastece 11% do consumo de eletricidade em 2017

| Economia

A produção renovável abasteceu 40% do consumo em 2017, com as barragens a representarem 11% do consumo, as eólicas 23%, a biomassa 5% e as fotovoltaicas 1,6%, de acordo com dados da REN.

Devido às condições hidrológicas extremamente negativas, o índice de produtibilidade hidroelétrica situou-se em 0,47 (média histórica igual a 1), que é o terceiro valor mais baixo dos registos da REN - Redes Energéticas Nacionais, sendo apenas superado pelos verificados em 1992 e 2005.

Em contrapartida, em 2017 o índice de produtibilidade eólica foi de 0,97 (média histórica igual a 1).

A produção não renovável abasteceu os restantes 60% do consumo, repartido pelo gás natural, com 34%, e pelo carvão, com 26%.

O saldo exportador registado em 2017 equivale a 5,4% do consumo nacional, segundo os dados da gestora da rede elétrica.

Em dezembro, o consumo de energia elétrica registou um crescimento homólogo de 4,1%, suportado por temperaturas inferiores às verificadas no mesmo mês do ano anterior, e, corrigidos os efeitos de temperatura e número de dias úteis, o consumo regista ainda assim uma evolução de 2,8%.

Em 2017 o consumo nacional de eletricidade totalizou 49,6 Terawatt-hora (TWh), com um crescimento de 0,7% face ao ano anterior, sendo o terceiro ano consecutivo de crescimento, ficando o consumo a cerca de 5% do máximo atingido em 2010, refere a empresa liderada por Rodrigo Costa.

Tópicos:

REN Redes Energéticas, Rodrigo,

A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.