PS acusa CDS de atacar execução orçamental com diploma inconstitucional

| Economia

O PS acusou hoje o CDS-PP de atacar a saúde da execução orçamental ao pretender eliminar o adicional de imposto sobre produtos petrolíferos (ISP) e recusou pronunciar-se sobre a atuação dos parceiros de esquerda nesta matéria.

Estas apreciações em relação ao projeto do CDS-PP, que esta tarde será objeto de votações na especialidade e final global no parlamento, foram transmitidas pelo vice-presidente da bancada socialista João Paulo Correia.

O projeto do CDS-PP para eliminar o adicional de ISP, criado no âmbito do Orçamento do Estado para 2016, foi já aprovado na generalidade com o PS sozinho a votar contra.

Em relação a esse diploma do CDS-PP, João Paulo Correia referiu que o PS "tem uma divergência de fundo, de ordem constitucional, porque viola a norma travão que impede que a meio de um ano orçamental se aprove a eliminação de um imposto e, consequentemente, a descida de uma receita fiscal".

"Conhecendo o impacto orçamental resultante da eliminação do adicional de ISP, que é superior a 400 milhões de euros, estamos então perante um ataque do CDS-PP à execução orçamental. Por razões de seriedade política, o CDS-PP tem de dizer que imposto quer aumentar para compensar essa perda de receita para o Estado de mais de 400 milhões de euros em impostos, ou, então, que despesa quer cortar nesse valor", alegou o vice-presidente da bancada socialista.

João Paulo Correia sustentou depois que matérias relativas à gestão da receita fiscal sobre produtos fósseis "têm de ser analisadas numa perspetiva mais alargada, incluindo impactos ambientais".

"Mas o CDS-PP não está disponível nem para respeitar a Constituição da República, nem para respeitar a boa execução orçamental, nem, ainda, para ponderar questões ambientais. A nossa divergência é de fundo", salientou o dirigente da bancada do PS.

Num recado para as outras forças políticas em relação às votações desta tarde, em particular para os parceiros de esquerda que suportam o Governo minoritário socialista no parlamento, João Paulo Correia advogou que os projetos de resolução apresentados pelo PSD e PCP sobre o adicional de ISP "são diferentes" do diploma do CDS-PP.

"Nos últimos dias temos tido audições na Comissão de Orçamento e Finanças e temos ouvido o que o PCP e o Bloco de Esquerda têm dito sobre isto. Na verdade, foi aprovada uma resolução entre o PSD e o PCP sobre esta matéria - e o que defendem é diferente daquilo que propõe o CDS. Há uma divergência. De que forma é que PSD e PCP irão finalizar o respetivo sentido de voto, só os próprios é que podem responder", observou.

Interrogado se o PS dispõe de alguma garantia de que PCP e Bloco de Esquerda não se juntam para a viabilização do diploma do CDS-PP, João Paulo Correia respondeu: "Terão de questionar o Bloco de Esquerda, o PCP e o PEV".

"A posição do PS é a mesma. Há uma resolução aprovada pela Assembleia da República, subscrita pelo PSD e PCP, que diverge do projeto do CDS-PP. Portanto, terão de questioná-los diretamente", insistiu o vice-presidente da bancada do PS perante os jornalistas.

Tópicos:

Correia,

A informação mais vista

+ Em Foco

O criador dos óculos de realidade virtual está a desenvolver tecnologia que vai transferir jogos de vídeo para os campos de batalha.

Reunimos aqui reportagens sobre as forças de elite portuguesas, emitidas por ocasião dos 100 anos do Armistício que pôs fim à I Guerra Mundial.

    O coração de Lisboa foi palco do maior desfile militar dos últimos 100 anos no país, por ocasião do centenário do Armistício que pôs fim à I Grande Guerra.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.