Receitas da Altice Portugal cairam para 507 milhões de euros no 1.º trimestre

| Economia

|

As receitas totais da Altice Portugal caíram 6,5% no primeiro trimestre para 507 milhões de euros, anunciou hoje a operadora de telecomunicações.

"As receitas totais da Altice Portugal caíram 4,5% em termos homólogos no primeiro trimestre de 2018 excluindo medidas extraordinárias ou 6,5% numa base comparável para 507 milhões de euros", lê-se no comunicado.

Esta descida, segundo uma nota divulgada em Portugal, "resulta da perda de quotas de mercado verificadas no passado. Com o crescimento agora reportado na quota de mercado, a empresa tem a ambição de recuperar receita nos trimestres seguintes".

Nos primeiros três meses de 2018, o MEO ganhou quota de mercado, "pelo segundo trimestre consecutivo, capturando cerca de 65% das adições líquidas, quando comparado com os dois principais concorrentes", o que, diz a operadora, "revela uma tendência de crescimento, que permitirá inverter" a queda das receitas verificada no período em análise.

O MEO conquistou 49 mil novos clientes de fibra.

"Seguros de que a forte performance comercial é sólida e sustentável, a Altice Portugal mantém absolutamente inalterado o seu plano de investimentos: independentemente da variação de receitas reportada, a empresa investiu no 1T (primeiro trimestre) de 2018 105 milhões de euros, o mesmo valor investido no período homólogo", lê-se no comunicado.

O Capex (investimento) de 105 milhões de euros no primeiro trimestre ficou ligeiramente abaixo dos 108 milhões de euros de igual período de 2017.

O EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado caiu 10,6% excluindo medidas extraordinárias ou 14,6% numa base comparável para 219,2 milhões de euros.

Tópicos:

Capex, MEO,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Em abril, uma cimeira histórica entre Coreias reaproximou dois países de costas voltadas há mais de 60 anos. O que esperar do futuro?

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.