Receitas da Critical Software sobem 12% em 2017 para 32 milhões de euros

| Economia

O volume de negócios da Critical Software subiu 12% no ano passado, face a 2016, para 32 milhões de euros, impulsionado pelas operações internacionais no Reino Unido e Alemanha, disse à Lusa o presidente executivo, Gonçalo Quadros.

"A Critical concentrou-se nos mercados europeus por via de uma opção estratégica", nomeadamente na indústria automóvel e energia, na Alemanha e no Reino Unido, que foram "os pilares da melhoria dos resultados" e que levaram a empresa a ter "os melhores resultados de sempre", acrescentou o presidente executivo.

Em 2017, o resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) subiu 16% para 4,8 milhões de euros, representado 15% do volume de negócios.

Já o resultado operacional (EBIT) ascendeu a 3,7 milhões de euros, uma subida de 15%.

Questionado sobre se a Critical Software tem sentido alguma dificuldade no Reino Unido devido ao `Brexit`, Gonçalo Quadros disse que não.

"Não temos sentido nenhum tipo de impacto, temos crescido e consolidado a nossa presença no Reino Unido e não temos sentido qualquer tipo de ameaça", afirmou, salientando que acredita que o "bom senso" vai imperar no processo do `Brexit` (saída do Reino Unido da União Europeia).

Sobre o desempenho da Critical Software, Gonçalo Quadros faz um balanço positivo.

"Para uma empresa como a Critical, que está a fazer 20 anos, com o mundo a mudar muito, o desempenho tem sido positivo. Temos vindo a crescer dois dígitos", disse.

Entre 2014 e 2017 "crescemos 40%", o que demonstra que "temos sido capazes de nos alinhar com um mundo em mudança acelerada", afirmou.

Neste período, "o nosso EBITDA mais que dobrou fruto da nossa capacidade de inovar e de gerar riqueza", salientou Gonçalo Quadros.

O primeiro trimestre "tem corrido bem", de acordo com o gestor, que destacou o facto de a Critical abrir quatro novos escritórios no interior do país: Évora, Tomar, Vila Real e Viseu.

"Queremos dar um exemplo da aposta no sentido oposto" ao que a maioria das empresas faz e "ajudar a reconstruir o interior", acrescentou, salientando que estes novos escritórios vão implicar o recrutamento de profissionais.

A Critical Software também tem presença nos Estados Unidos, nomeadamente na área aeroespacial e aeronáutica, mas a aposta "continua a ser europeia", onde está o foco estratégico da empresa.

Questionado sobre quais as expectativas para este ano, o gestor manifestou-se muito otimista.

"Este vai ser o ano do nosso maior crescimento, vamos crescer muito", sublinhou.

Relativamente a eventuais entradas em outros mercados, Gonçalo Quadros admitiu essa possibilidade, mas neste momento não há novidades.

Tópicos:

Critical Software, Unido,

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.