Regulador espanhol pode impor multa até 1ME a ex-presidente do banco Popular

| Economia

O regulador espanhol do mercado de valores mobiliarios (CNMV) pode multar até um milhão de euros o ex-presidente do Banco Popular Ángel Ron, caso considere que este cometeu uma falha "muito grave" ao, alegadamente, ter ocultado indemnizações através de pensões.

Segundo a agência de notícias espanhola Efe, a lei espanhola do mercado de valores prevê multas de 600 mil euros nos casos de infrações "muito graves", às quais se podem somar mais 400 mil euros quando isso acontece no exercício de um cargo de administração.

A mesma sorte podem ter outros membros da antiga administração do banco, já que segundo avançou hoje o jornal espanhol `El Mundo`, a Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) prepara sanções para quem terá ocultado informação sobre indemnizações nos relatórios de contas (escondendo-as nas pensões).

Caso o regulador classifique estas irregularidades apenas como "graves", as sanções teriam montantes inferiores, de 300 mil euros, mais 250 mil euros dados os cargos ocupados.

De acordo com a Efe, os especialistas consideram prematuro avançar com o valor das sanções que a CNMV poderá exigir, considerando que os montantes até podem ser superiores ou que podem ser impostos ao Banco Popular, se se concluir que estas irregularidades foram consensualizadas.

A informação mais vista

+ Em Foco

O novo líder do PSD promete dialogar com todos os partidos nesta legislatura, mas tem consciência de que dois anos é pouco tempo para apresentar todas as propostas que defende.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Foram sinalizados casos de mutilação genital numa escola da Baixa da Banheira. Uma associação trabalha com turmas. Ainda há rapazes que defendem a "submissão" como "saudável".

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.