"Se a CGD não der lucro tem que pedir mais dinheiro aos contribuintes" - Paulo Macedo

| Economia

O presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Paulo Macedo, justificou hoje o aumento das comissões bancárias cobradas aos clientes com a necessidade de o banco público voltar aos lucros, após sete anos seguidos de prejuízos.

"A CGD tem que ser igual aos outros na rentabilidade porque as regras são iguais para públicos e privados", afirmou o gestor durante a sua intervenção num almoço debate promovido pela Câmara de Comércio Americana em Portugal, em Lisboa.

"Temos a noção do que teria acontecido a um banco com sete anos seguidos de prejuízos se não fosse público", realçou Paulo Macedo, vincando que "só com a reestruturação [em curso] a CGD pode voltar aos lucros".

E acrescentou: "Se a CGD não der lucro tem que ir pedir mais dinheiro aos contribuintes. E tenho uma ideia de qual será a resposta".

O líder da CGD apontou ainda para o clima de incerteza e a subida do risco que se vive a nível macroeconómico e que afeta o setor bancário, apontando para os impactos recentes na banca portuguesa, que levaram a mudanças significativas, com o desaparecimento do mercado de entidades como o BES, o Banif, o Barclays e o Popular.

Paulo Macedo sublinhou que, em sentido contrário, apareceu um novo `player` (concorrente), o Banco CTT, frisando também as alterações ocorridas no Millennium BCP (que fez um aumento de capital e passou a contar com um novo acionista, a Fosun), bem como no Banco BPI (cuja maioria do capital passou para as mãos do espanhol CaixaBank).

Já o Novo Banco e o Montepio "estão a fazer o seu caminho", assinalou o responsável, para ilustrar as mudanças que têm acontecido no sistema financeiro português.

Por seu turno, a CGD beneficiou de uma recapitalização de 4,4 mil milhões de euros, com Macedo a destacar que a banca portuguesa está "mais capitalizada e com menos risco, pelo que tem liquidez para financiar bons projetos", desde que haja garantias associadas.

"Hoje temos na banca uma coisa que são os rácios de capital. Os rácios de capital são um imposto de porta aberta", considerou, lembrando a significativa subida das exigências regulatórias nos últimos anos.

De resto, Paulo Macedo disse que a dimensão do banco público está diretamente relacionada com o capital que lhe é injetado.

"Queremos uma Caixa ou uma Caixinha? Se queremos um banco público com maior dimensão, os contribuintes têm que meter mais dinheiro. Tem dimensão quem tiver capital", frisou.

Segundo o responsável, um banco "só vale a pena ser público com alguma dimensão", pelo que uma quota de 4% ou 5% é demasiado pequena, devendo ser superior a 20% para ter impacto no mercado bancário.

Paulo Macedo considerou que a atual dimensão da CGD é satisfatória, com uma quota de mercado de 23%.

"O banco público tem cinco milhões de contas. Mas mais de 700 mil clientes da CGD pagam `zero` [pelos serviços]. Isto, sem contar com os serviços mínimos bancários", lançou, admitindo alterações neste cenário com a subida das comissões que está a ser preparada, que deverá levar muitos clientes a deixar de ter uma conta base e a ser integrados nos serviços mínimos, desde que cumpram uma série de critérios pré-estabelecidos.

Certo é que "ninguém recebe mais recursos em Portugal e os converte em maturidades de longo prazo do que a CGD", sublinhou, salientando que, a nível setorial, "os bancos têm montantes à ordem sem precedentes", devido à quebra dos juros oferecidos nos depósitos a prazo.

E rematou: "A CGD e os outros bancos estão com rácios de transformação abaixo de 100%, o que é algo completamente novo nos últimos 40 anos".

 

 

Tópicos:

BES Banif, Depósitos CGD, Macedo, Popular,

A informação mais vista

+ Em Foco

No Telejornal, Bernardo Pires de Lima comentou a decisão da Casa Branca sobre Jerusalém, agora reconhecida como a capital de Israel.

A Coreia do Norte continua a desafiar o mundo com testes de mísseis balísticos e armas nucleares.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.