Senado argentino aprova orçamento de austeridade

| Economia

O Senado argentino aprovou hoje o Orçamento para 2019, que prevê um duro ajuste nas contas públicas e um aumento dos impostos, na sequência do acordo entre o Governo e o Fundo Monetário Internacional (FMI).

O plano, altamente criticado pela oposição, foi aprovado na câmara alta do Congresso (72 senadores), por 45 votos a favor, 24 contra e uma abstenção.

Em outubro, na Câmara dos Deputados (257 parlamentares), os deputados aprovaram o acordo com 138 votos a favor, 103 contra e oito abstenções, após 18 horas de debate intenso, com momentos de tensão que levaram o presidente da câmara a realizar duas pausas.

O FMI concordou, no final de setembro, em aumentar o empréstimo à Argentina em 7,1 mil milhões de dólares (seis mil milhões de euros) para 57,1 mil milhões.

O Estado sul-americano garantiu um financiamento de 50 mil milhões de dólares como parte de um acordo negociado com o FMI em junho, depois de ter sido abalado por uma crise monetária, uma corrida ao peso argentino e uma inflação de dois dígitos.

O FMI é acusado na Argentina de encorajar as políticas que conduziram, em 2001, à pior crise económica que o país alguma vez conheceu, levando a que um em cada cinco argentinos ficasse no desemprego e deixando milhões na pobreza.

Tópicos:

Argentina, Buenos Aires, FMI, Monetário,

A informação mais vista

+ Em Foco

Apresentamos aqui o perfil dos cabeças de lista e cinco prioridades de ação por partido para o Parlamento Europeu.

    Debates, perfis, notícias da campanha. Toda a informação sobre as Eleições Europeias de 2019, que se realizam a 26 de maio.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

        Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.