Seul revela importações ilegais da Coreia do Norte que violam sanções da ONU

| Economia

A Coreia do Sul informou hoje que um total de 35 mil toneladas de carvão e ferro norte-coreanos entraram ilegalmente nos seus portos em 2017, numa possível violação das sanções da ONU.

Com base em resultados preliminares de uma investigação que se prolongou durante dez meses, o Serviço Alfandegário da Coreia do Sul anunciou que deverá avançar com processos contra três empresas locais e respetivos executivos por contrabando e falsificação de documentos que procuraram alterar a identificação da origem dos recursos minerais norte-coreanos, com a indicação de que vinham da Rússia.

As empresas importaram carvão e ferro norte-coreano em sete ocasiões diferentes, entre abril e outubro do ano passado, para cinco portos sul-coreanos, informou a alfândega, referindo ainda que as 35 toneladas destes produtos estão avaliadas em cinco milhões de euros.

A ONU proibiu as importações de minerais norte-coreanos em agosto de 2017.

A Coreia do Sul começou a investigar em outubro as alegações de que o carvão norte-coreano podia ter entrado nos seus portos.

As primeiras sanções do Conselho de Segurança da ONU foram impostas após o primeiro teste nuclear de Pyongyang, em 2006.

Um relatório recente do Conselho de Segurança indicou que o regime de Kim Jong-un está a violar as sanções da ONU, com embarques clandestinos de carvão, petróleo e equipamento militar.

Tópicos:

Alfandegário, ONU Seul, Pyongyang,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.