Sindicatos espanhóis entregam pré-aviso de greve na Ryanair para 25 e 26 de julho

| Economia

Os sindicatos espanhóis de tripulantes de cabine de passageiros da transportadora aérea Ryanair entregaram hoje o pré-aviso de greve que terá lugar em 25 e 26 de julho próximos, disse à Lusa fonte dos representantes dos trabalhadores.

Os sindicatos decidiram manter a greve depois de não terem chegado a um acordo com a companhia aérea numa reunião entre as duas partes que teve lugar na terça-feira no Serviço de Mediação e Arbitragem (SIMA).

"A direção da Ryanair não apresentou nada de novo e limitou-se a fazer ameaças sobre as sérias consequências laborais de uma greve que consideram ser ilegal", disse hoje à Lusa António Escobar, responsável para as Relações Externas do Sindicato Independente de Tripulantes de Cabine de Passageiros de Linhas Aéreas (SITCPLA) espanhol.

Os sindicatos calculam que cerca de 114.000 passageiros serão afetados em Espanha em cada um dos dias de greve.

Os sindicatos que representam a tripulação de cabine da transportadora irlandesa anunciaram a 05 de julho último a convocação para 25 e 26 de julho de uma greve em Espanha, Portugal, Itália e Bélgica.

A paragem no trabalho em Itália só se realizará no primeiro dos dois dias.

Os trabalhadores exigem que a companhia aérea de baixo custo, entre outras coisas, passe a respeitar os direitos dos trabalhadores em cada país em que opera e reconheça os representantes sindicais eleitos, que pretendem negociar um acordo coletivo de trabalho.

Tópicos:

Mediação, Ryanair, Tripulantes,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.